Na berlinda, Cannavaro busca despedida digna

Cannavaro recebe a taça mais cobiçada pelos jogadores e a levanta, para delírio dos italianos. A cena ilustra um dos painéis da Casa Azzurri, local em que a seleção recebe convidados e os atletas dão entrevistas. De 2006 para cá, no entanto, tudo mudou. Considerado pela Fifa o melhor jogador no Mundial da Alemanha, Cannavaro é hoje um dos mais contestados do grupo. Aos 36 anos, é o mais experiente. Não só na idade, mas também em jogos: passou dos 130. Justamente por isso, e pelo o que vem apresentando, é que as críticas não cessam. "Todos dizem que estamos velhos, mas ninguém quer nos encarar", falou ontem o zagueiro. Na rodada passada, ele falhou no gol da Nova Zelândia e reabriu o caminho para as broncas. Cannavaro já avisou que vai largar a seleção após o Mundial. Não considera, ainda, deixar o futebol. Tampouco quer se despedir precocemente da Copa. "Seria uma vergonha sermos eliminados na 1ª fase." / D.A.B.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.