Na despedida, Mancini espera deixar boa imagem

Técnico diz que time tirou peso das costas com a definição do rebaixamento e promete boa exibição no Rio

Anelso Paixão, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2010 | 00h00

Sem o peso nas costas de lutar contra o rebaixamento, o técnico Vágner Mancini prevê um Guarani motivado e perigoso no caminho do favorito Fluminense, domingo, no Engenhão. "De certa forma, esse peso saiu das nossas costas. Nossos atletas estão tristes, mas mais aliviados. E vão querer uma despedida honrosa no Rio", afirma o treinador, que vive situação curiosa na reta final do Campeonato Brasileiro. "Fomos rebaixados na rodada anterior e agora estamos praticamente participando de uma final", disse, referindo-se ao fato de que o adversário precisa da vitória para se sagrar campeão.

Passar motivação aos jogadores é o desafio do treinador nesta semana de trabalho até o jogo de domingo. "Vou mostrar a eles que a camisa do Guarani merece respeito e que todos nós queremos deixar uma imagem um pouco melhor neste Brasileiro. Não queremos sair de cena como o time que não consegue fazer gols e nem vencer seus adversários."

Não fazer gols, aliás, é algo que machuca o treinador. "Os times que dirigi sempre foram ofensivos, faziam muitos gols e sofriam muitos também, porque quem ataca está sujeito a sofrer gols. Infelizmente, no Guarani as coisas não encaixaram."

Para complicar, diante do Fluminense, Mancini não poderá contar com Mazola (7 gols na competição) e Baiano (5), justamente seus artilheiros. "Sem contar o Fabão, o Renan, o Preto, que estão se recuperando de contusão. São perdas significativas para um elenco limitado, mas vamos contar com o poder de superação dos que estarão em campo."

Apesar dos desfalques, o treinador promete que seu time não jogará recuado. "Vencer é nosso objetivo, porque queremos deixar uma boa imagem. É claro que, se jogarmos como nas últimas partidas, vai ser muito difícil parar o Fluminense. Mas, se jogarmos o que podemos, tenho certeza que é possível sair com um bom resultado". E até adverte sobre as dificuldades do adversário. "Neste jogo, a pressão estará do lado deles. Não é fácil jogar com a obrigação de vencer."

Sobre seu futuro no clube, Mancini prefere esperar. "Tenho contrato até o ano que vem (até o final do Campeonato Paulista), mas deixamos em aberto uma conversa ao término do Brasileiro para falarmos de planejamento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.