Jonathan Daniel/ AFP
Jonathan Daniel/ AFP

Na seca desde 1908, time da MLB tenta acabar com 'maldição do bode'

Chicago Cubs se inspira em profecia de "De Volta para o Futuro 2"

Rafael Pezzo, O Estado de S. Paulo

17 de outubro de 2015 | 07h00

Inspirados por uma profecia do filme "De volta para o Futuro 2", o Chicago Cubs tentará, a partir deste sábado, finalmente dar fim a uma das mais antigas secas da história do esporte: a "Maldição de Billy Goat", que persegue o time desde 1945. A franquia do lado norte de Chicago enfrentará o New York Mets na final da Liga Nacional da Major League Baseball. O vencedor da melhor de sete jogos será o campeão da liga e se classificará para a World Series, a grande final, onde enfrentará o vencedor da Liga Americana. 

Da fundação da Liga Nacional, em 1876, até 1945, o Chicago Cubs era um dos clubes mais vencedores do esporte. Além do bi da Série Mundial em 1907 e 1908, a franquia conquistou outros 16 títulos da National League. 

Os Cubs receberiam o Detroit Tigers para o quarto jogo da World Series, em 6 de outubro de 1945, após vencerem dois dos três jogos fora de casa. Momentos antes da partida, o grego Billy Sianis chegou à entrada do estádio com dois ingressos, um para ele e outro para seu mascote, um bode chamado Murphy, a atração de sua taberna. 

Um dos funcionários do estádio impediu a entrada do animal e, sob os protestos de Billy, até o dono do clube, Philip K. Wrigley, foi chamado. O presidente, então, teria dito que Billy não poderia entrar "porque seu bode fede". Dito isso, o grego teria amaldiçoado o clube: "O Chicago Cubs nunca mais vai ganhar uma World Series enquanto não deixar um bode entrar Wrigley Field".

Quatro dias depois, o Detroit Tigers fechou a série em 4 a 3, conquistando sua segunda Série Mundial. Na mesma data, Billy teria enviado um telegrama a Philip K. Wrigley dizendo: "Quem fede agora?"

Em outra versão da história, que já virou lenda nos Estados Unidos, Sianis até conseguiu entrar no estádio, mas, após uma chuva, teria sido retirado por um dos funcionários do estádio porque outros fãs diziam que bode estava fedendo. Assim, o grego teria amaldiçoado o time do coração quando foi retirado de seu assento. 

AZAR SEM FIM

Após 24 temporadas sem uma aparição nos playoffs, o time chegou ao último mês da temporada regular de 1969 com nove jogos e meio na liderança. Porém, durante uma partida em casa diante do New York Mets, em 9 de setembro, um gato preto passou na frente do banco de reservas do time. Coincidência ou não, a franquia não se classificou e terminou oito jogos atrás dos Mets. 

Chicago só voltou à pós-temporada em 1984, quando perdeu de virada para o San Diego Padres por 3 jogos a 2. As derrotas se repetiram em 1989 e 1998, para San Francisco Giants e Atlanta Braves, respectivamente. 

Por diversas ocasiões, a direção e a torcida do Chicago Cubs tentou acabar com a maldição de bode. O sobrinho de Billy Sianis, Sam, foi convidado diversas vezes ao Wrigley Field junto de um bode. Na primeira tentativa, em 1973, o animal foi de limosine até o estádio, onde foi recebido com um tapete vermelho, mas Sam e "Socrates" foram barrados. A dupla finalmente entrou na casa dos Cubs em 1984. E novamente em 1989, 1994, 1997 e 1998, mas nenhuma delas surtiu efeito. 

TORCEDOR INJUSTIÇADO

Tudo parecia mudar nos playoffs de 2003, quando venceram a primeira série desde 1908, contra os Braves, na final de Divisão. Na decisão da Liga Nacional, contra o Florida Marlins, os Cubs chegaram ao jogo seis da melhor de sete, em 22 de outubro, com vantagem de 3 jogos a 1. 

O time vencia a partida por 3 a 1 até que Louis Castillo foi rebater. O dominicano rebateu uma bola para o lado esquerdo, em território inválido (ainda assim, se a bola fosse pega antes de quicar no chão, seria uma eliminação). Enquanto Moisés Allou corria em direção à bola para tirar Castillo do jogo, Steve Bartman se esticava em seu assento para levar um souvenir para casa. O torcedor teria atrapalhado Allou, que não agarrou a bola. Castillo não foi eliminado e, um arremesso depois, avançou à primeira base.

Bartman teve de ser retirado do Wrigley Field para sua segurança. No campo, o time da Flórida virou para 8 a 3 e, no dia seguinte, fechou a série em 4 a 3. Mais tarde, os Marlins conseguiram sua primeira Série Mundial ao derrotarem o New York Yankees por 4 a 2. 

Anos depois, Moisés Allou reconheceu que não alcançaria a bola de qualquer maneira, isentando Bartman pela jogada. Os fãs dos Cubs, que naquela noite entoaram um xingamento a ele, também passaram a dizer que Steve seria bem-vindo ao Wrigley Field, campo ao qual ele nunca mais voltou. 

Antes do jogo um da Série de Divisão de 2008, contra o Los Angeles Dodgers, um padre grego foi até o banco de reservas no Wrigley Field para exorcizar qualquer maldição no time. A tentativa não deu certo, já que Chicago foi eliminado por 3 a 0, assim como no ano anterior, contra o Arizona Diamondbacks. 

PROFECIA DE MARTY MCFLY

A atual temporada começou diferente devido à previsão feita pelos personagens Marty McFly e Dr. Brown no filme "De volta para o Futuro 2", lançado em 1989. Na película, quando a dupla chega a 2015 veem um letreiro parabenizando os Cubs pela conquista. Dr. Brown até diz que gostaria de voltar ao início do ano para poder apostar no Chicago. 

Até este sábado, tudo está indo como previsto pelo diretor Robert Zemeckis e pelo roteirista Bob Gale. No jogo único da repescagem (Wild Card), os Cubs derrotaram o Pittsburgh Pirates. Na Série de Divisão, bateram o St. Louis Cardinals por 3 jogos a 1. O jogo decisivo desta última decisão foi no Wrigley Field, garantindo a primeira classificação em casa da história da franquia. 

Após as duas partidas em Nova York, a decisão se mudará para Chicago. Que o técnico Joe Maddon não se assuste se ver bodes andando nos arredores do Wrigley Field, nem se ninguém comprar o assento do corredor 4, fileira 8, assento 113, perto do campo esquerdo. 

Mais conteúdo sobre:
beisebolmlbchicago cubs

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.