Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Na Vila, um triste empate entre Santos e Portuguesa

Resultado (1 a 1) mantém as equipes preocupadas com o rebaixamento

Marcon Beraldo, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2008 | 00h00

Santos e Portuguesa empataram por 1 a 1, ontem à noite na Vila Belmiro, e o pontinho foi mais festejado pelo time visitante, que segue na zona de descenso, mas agora com 27 pontos. O Santos tem 30, ainda em situação preocupante.Motivada pela vitória sobre o Botafogo, a equipe comandada pelo técnico Estevam Soares tomou a iniciativa e criou as melhores chances no período inicial. Melhor posicionada e eficiente na marcação, a Lusa procurava impor seu ritmo e não deixava o Santos jogar.Mesmo assim, a equipe santista chegou a criar alguns bons momentos, tirando proveito de falhas individuais da Lusa, que fazia linha de impedimento. O artilheiro da Vila, Kléber Pereira, ameaçou em uma cabeçada aos 20 minutos, bem defendida pelo goleiro André Luís. Mas as chances da Portuguesa foram melhores. Aos 37, Jonas aproveitou uma saída errada de Fabiano Eller e cruzou para Edno, livre na pequena área, errar o chute e permitir a defesa do goleiro Douglas. E no minuto seguinte, depois de uma rápida troca de passes, a bola chegou limpa para Athirson, na área, chutar para fora.No intervalo, o meio-campista Michael admitia a dificuldade. "Estou sofrendo marcação individual fixa. Por isso ficou difícil fazer a ligação com o Kléber e Cuevas", disse. Rai, o marcador de Michael, confessou que a Portuguesa conseguiu ficar com o jogo sob seu comando no momento em que acertou a marcação e a movimentação na saída de bola. "Agora vamos buscar a vitória no segundo tempo", prometia o volante.Na segunda etapa, pressionado pela torcida, o Santos foi à frente, na base do desespero. E chegou ao gol graças ao oportunismo de Kléber Pereira (19 gols), ao receber a bola na área e girar no canto direito. Só que nem deu para a torcida festejar. Dois minutos depois, em uma bola lançada para o ataque , o goleiro Douglas saiu mal e Athirson cabeceou para a rede. A partir daí só deu Santos, mais na base da empolgação. Todos procuravam o pé do artilheiro. E ele só não fez o gol da vitória graças a uma grande defesa de André Luís, aos 27 minutos. Nos minutos finais, depois da expulsão de Erick, a Lusa se encolheu para garantir o pontinho. E conseguiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.