Eric Gaillard / Reuters
Eric Gaillard / Reuters

Na zona de rebaixamento do Francês, Monaco demite técnico Leonardo Jardim

Thierry Henry é o mais cotado para substituir o treinador português

Estadão Conteúdo

11 Outubro 2018 | 11h54

Afundado em uma crise neste início de temporada do futebol europeu, o Monaco anunciou nesta quinta-feira a demissão do técnico Leonardo Jardim. O português vinha sendo bastante criticado pelo péssimo momento do time, que somou apenas seis pontos nas primeiras nove rodadas do Campeonato Francês, ocupando apenas a 18.ª colocação, que hoje o levaria a um playoff para evitar o rebaixamento.

Apesar dos milhões investidos, o Monaco vive um inexplicável péssimo começo de temporada. Das 12 partidas oficiais disputadas, venceu apenas uma, na estreia do Francês. No total, são oito derrotas e três empates, retrospecto que o coloca também na lanterna de seu grupo na Liga dos Campeões, sem pontuar.

"Eu quero manifestar meu mais profundo respeito a Leonardo pelo trabalho feito. Leonardo se estabeleceu no banco do Monaco como referência na Europa e deixa para trás um balanço bastante positivo. Sua passagem permanecerá como uma das páginas mais bonitas da história do clube e seguirá como parte da família Monaco", declarou o vice-presidente e diretor-geral do clube, Vadim Vasilyev.

O início de temporada se tornou uma página decepcionante na vitoriosa trajetória de Jardim no Monaco. Contratado em 2014 junto ao Sporting, o português aceitou o desafio de liderar o clube na nova e rica fase, embalado pelos milhões de euros investidos por empresários russos, e deu ao Monaco o título francês de 2016/2017, mesma temporada em que levou a equipe à semifinal da Liga dos Campeões.

Até pelo ótimo trabalho nos quatro anos anteriores, Vadim Vasilyev chegou a dizer em maio que sonhava em transformar Leonardo Jardim no "Alex Ferguson do Monaco", fazendo referência à longevidade do escocês que comandou o Manchester United por 27 anos. E apesar da demissão, Jardim fez questão de ressaltar seu carinho pelo clube.

"Eu sou grato e orgulhoso por tudo que pude fazer como técnico do Monaco por mais de quatro anos. Eu sempre dei o melhor de mim e trabalhei com paixão. Nós tivemos grandes vitórias juntos e eu sempre vou manter estas memórias para mim", afirmou.

Agora, a diretoria do Monaco vai em busca de um novo nome para o cargo de técnico, e o mais especulado pela imprensa europeia é Thierry Henry. Auxiliar da Bélgica na Copa do Mundo da Rússia, o ex-atacante receberia sua primeira chance como treinador justamente no clube em que iniciou a carreira de jogador nos anos 1990.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.