Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Nadadora Rebeca Gusmão é absolvida em 1o caso de doping

A nadadora Rebeca Gusmão foiabsolvida de uma acusação de doping pela Corte Arbitral doEsporte, última instância da justiça desportiva internacional,informaram nesta sexta-feira representantes da atleta. O caso é referente ao Troféu Maria Lenk de 2006, quando abrasileira teve um exame antidoping positivo, mas a contraprovada amostra foi negativa. A velocista, que está suspensa preventivamente desdenovembro, ainda será julgada pela Federação Internacional deNatação (Fina) por outra suspeita de doping. Rebeca teve umexame realizado durante o Pan-Americano do Rio, em julho de2007, com resultado positivo para altos níveis do hormôniomasculino testosterona. "Ainda tem mais um julgamento na Fina, mas essa primeiraabsolvição no CAS era muito importante. Se ela for absolvidapela Fina, ela vai voltar a competir, inclusive na Olimpíada",disse à Reuters uma representante da atleta. A defesa de Rebeca disse em comunicado divulgado nestasexta-feira que o painel do CAS concluiu que "não haviajurisdição suficiente para analisar o caso", durante audiênciado dia 7 de março, em Lausanne, Suíça. O caso de suspeita de doping no Pan deve ser julgado naspróximas semanas pela Fina, de acordo com a assessora danadadora. A defesa de Rebeca alega que houve erros deprocedimento durante a realização dos exames antidoping dosJogos. "Se ela for considerada culpada pela Fina, nós aindapoderemos recorrer ao CAS", afirmou a representante, portelefone. Apesar de ter perdido os tempos obtidos no Pan do Rio,devido ao exame antidoping positivo, Rebeca tem índice olímpicopara nadar os 50m livre. A marca foi obtida em 2007, numacompetição que seus exames antidoping foram negativos. (Reportagem de Pedro Fonseca)

REUTERS

09 de maio de 2008 | 16h46

Tudo o que sabemos sobre:
NATACAOREBECADOPINGCAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.