CBDA/Divulgação
CBDA/Divulgação

Nadadores brasileiros aprovam período de treinos no Maria Lenk

Bruno Fratus, Marcelo Chierighini, João de Lucca, Pedro Spajari, Breno Correia, Marco Antônio Ferreira Júnior, Gabriel Santos e André Calvello treinaram no Rio

Redação, Estadão Conteúdo

04 de fevereiro de 2019 | 15h35

O Parque Aquático Maria Lenk, no Rio, foi palco na última semana de um período de treinamentos para alguns dos principais nadadores do País. Os oito velocistas mais rápidos da natação do Brasil foram à água e receberam avaliações do Laboratório Olímpico durante quatro dias de trabalhos promovidos pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) e a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA).

"Hoje, o Brasil tem um grupo de atletas muito poderoso nas provas de velocidade da natação. Por isso, a ideia do COB e da CBDA foi reunir esses atletas com um tempo razoável para os Jogos Olímpicos e trabalhar junto essa equipe. Queremos criar entre os atletas um sentido de que cada um tem que nadar pelo outro, que todos estão nadando pelo País", explicou o diretor de Esportes do COB, Jorge Bichara.

Com foco nos Jogos de Tóquio, em 2020, se reuniram no Rio os experientes Bruno Fratus, Marcelo Chierighini e João de Lucca, todos com duas participações olímpicas no currículo, além de Pedro Spajari, Breno Correia, Marco Antônio Ferreira Júnior, Gabriel Santos e André Calvello, o mais jovem, com apenas 18 anos.

"São oito atletas que têm potencial de estar na equipe das próximas competições internacionais e nos Jogos Olímpicos do ano que vem. Está todo mundo reunido criando um espírito de equipe e buscando enraizar esse sentimento. Estamos tendo a oportunidade de começar a temporada treinando como um time e isso é extremamente satisfatório. Aqui é uma equipe, a seleção brasileira. Todos têm que trabalhar pelo sucesso do time", comentou Fratus.

A oportunidade de treinar com atletas mais consagrados agradou os mais jovens. "O primeiro passo dentro de um revezamento é definir o entrosamento. Viemos de clubes diferentes, então é importante termos essa união, não só na piscina, mas na troca de experiências. Eu, como um dos mais novos do grupo, aproveitei muito esses dias. Todos sabemos que ninguém está garantido nas próximas competições internacionais, mas independente do time a ser formado, o Brasil vai dar o seu melhor", afirmou Breno, de 19 anos.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.