Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Nadal tenta provar que é o rei do saibro

Temporada no piso preferido do espanhol, que defende o topo do ranking, tem início nesta segunda, em Monte Carlo

GIULIANDER CARPES, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2011 | 00h00

A temporada europeia do saibro começa esta semana e junto com ela vem a pergunta: poderá Rafael Nadal manter a liderança do ranking até o final de Roland Garros? O espanhol defende 5 mil pontos até o dia 5 de junho, data da final do segundo Grand Slam da temporada. Novak Djokovic, que abriu mão de disputar o Masters de Monte Carlo, a partir desta segunda-feira, para tratar lesão no joelho, aparece como a maior ameaça.

O grande desafio de Djokovic será mostrar que é um rival à altura de Nadal também no saibro. Nas quadras duras, o sérvio mostrou-se imbatível nesta temporada - tem 24 vitórias e levou o título nos três principais torneios do ano: Aberto da Austrália, Masters de Miami e Indian Wells. Em 2010, o espanhol não teve adversários sobre o barro. Ostentou recorde igual ao do atual número 2 do mundo (24 triunfos seguidos, se computados os dois na grama de Queen"s, na semana seguinte a Roland Garros).

"Será o meu maior desafio até agora. É impossível pensar em liderança do ranking por enquanto", conta Djokovic, que acabou sentindo dores no joelho com o desgaste excessivo do início de temporada. "Nadal mostrou no ano passado que está um degrau acima dos demais no saibro. Minha expectativa é poder vencê-lo, mas será muito difícil."

Djokovic tem só 945 pontos para defender, o que lhe dá margem bem grande de crescimento. Atualmente, a distância entre o sérvio e Nadal no ranking é de pouco mais de 3 mil pontos. "Não entro pressionado. Tenho a meta de terminar o ano na liderança do ranking", despista Nadal.

A briga pela ponta, porém, não se resume aos dois. Roger Federer está em 3.º, embora a distância para Nadal seja de 4.300 pontos. É difícil que o suíço ameace o espanhol até Wimbledon, mas Federer vem mordido por ter sido relegado a papel de coadjuvante, além de ter a intenção de quebrar novo recorde: o de número de semanas na liderança do ranking. Tem uma a menos que Pete Sampras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.