EFE/Alberto Estévez
EFE/Alberto Estévez

Nado sincronizado do Brasil se classifica para duas finais no Mundial

Luisa Borges e Duda Micucci avançam em Kazan, na Rússia

Estadão Conteúdo

28 de julho de 2015 | 16h01

As atletas do nado sincronizado do Brasil conseguiram se classificar para duas finais nesta terça-feira no Mundial de Esportes Aquáticos, em Kazan, na Rússia. Luisa Borges e Duda Micucci avançaram para a disputa livre de dueto. Mais tarde, a vaga foi obtida na disputa da rotina livre por equipes.

Nadando o tema "Amazônia", em que apresentaram os cinco animais que compõem o ecossistema, Luisa Borges e Duda Micucci somaram 84,200 pontos e avançaram em 12º lugar à final, marcada para a próxima quinta-feira.

Assim, elas ficaram com a última das 12 vagas que estavam em disputa pelas 37 duplas participantes. O melhor desempenho das eliminatórias foi das russas Natália Ishchenko e Svtlana Romashina, com 97,2667 pontos.

"Finalmente a nota saiu! Elas deram o máximo delas, sincronizaram do começo ao fim e gostamos muito. Foi a nota mais alta que a gente tirou até agora. A coreografia é de uma dificuldade enorme e por isso a comemoração de vitória. Aqui o contexto é outro. Elas nadaram melhor aqui talvez por não ser mais a estreia da coreografia. Achei que as notas poderiam ter sido ainda um pouco melhores em relação principalmente à Grécia, mas desta vez achei mais justo", disse a técnica brasileira Maura Xavier.

Na disputa por equipes da rotina livre, o desempenho foi ainda melhor. Além de se classificar para a final, o time brasileiro ficou à frente da equipe norte-americana, assegurando o 11º lugar, com 85,3333 pontos, contra os 84,6333 dos Estados Unidos.

"Estamos muito felizes em chegar à frente dos Estados Unidos, mas na final queremos continuar na frente delas e ainda passar a Grécia. Nossa equipe é uma das que mais treina durante a competição. Evoluímos muito durante esse período de training camps e isso fez muito diferença no resultado de hoje", comentou Branca Feres.

A nota dada a Lara Teixeira, Maria Bruno, Branca Feres, Beatriz Feres, Lorena Molinos, Pamela Nogueira, Luisa Borges e Sabrine Lowy foi mais de dois pontos maior do que a obtida no Pan de Toronto, quando elasram 82,9000 e ficaram na quarta colocação, logo atrás exatamente das norte-americanas. Agora, porém, as posições se inverteram.

A final está marcada para a próxima sexta-feira e tem a Rússia, que avançou em primeiro lugar, com 97,6333 pontos, como principal favorita a conquistar a medalha de ouro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.