Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Namorada de Zizao, Gui Lin quer faturar medalha para o Palmeiras

Chinesa naturalizada brasileira disputa o Nacional de tênis de mesa, em Bento Gonçalves

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

29 de outubro de 2013 | 07h31

SÃO PAULO - A chinesa Gui Lin, naturalizada brasileira, espera encerrar a temporada nacional de tênis de mesa com mais um pódio para o Palmeiras/São Bernardo. Campeã dos Jogos Abertos do Interior, a atleta agora busca uma medalha no Campeonato Brasileiro, que começa nesta terça-feira e vai até domingo, dia 3 de novembro, em Bento Gonçalves (RS). Namorada do corintiano Zizao, ela não deixa a rivalidade dos times atrapalhar a sua carreira. Muito pelo contrário. Gui Lin acredita que as brincadeiras até motivam a dupla e gosta de "tirar sarro" do parceiro. Com contrato apenas até o fim do ano, Zizao tem o futuro incerto no Corinthians. Mas isso não é motivo de preocupação. Segundo a mesatenista, o chinês deseja permanecer no País do Futebol e ela tenta colaborar para a sua adaptação, ensinando português para o namorado.

"Ele é esforçado. Quando eu estava aqui há um ano, não falava tudo isso que ele já está falando", elogia. Reconhecida na rua por seu relacionamento amoroso com o jogador de futebol, a chinesa se diverte com o 'jeito brasileiro' e, segura de seu lugar no tênis de mesa, não se incomoda com esse tipo de assédio. Focada, a mesatenista mantém uma intensa rotina de trabalho. Lin treina diariamente em dois períodos (das 9h às 11h30 e das 15h às 18h) e faz fisioterapia de duas a três vezes por semana. Toda terça-feira, participa das atividades com a seleção brasileira em São Caetano do Sul e, no restante da semana, é orientada pelo experiente Hugo Hoyama - que já disputou seis edições dos Jogos Olímpicos - nos treinos do Palmeiras/São Bernardo.

A jovem de 20 anos está acostumada à grande quantidade de viagens em seu calendário e, após o Brasileiro, a atleta continuará sua temporada de competições pela Europa. Ela entrará em ação em duas etapas mundiais, onde espera adquirir conhecimento nos confrontos com jogadores mais experientes. Tanto empenho tem uma razão: a chinesa sonha em representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Depois de um longo processo burocrático para a sua naturalização, a atleta teve a chance de vestir a camisa verde-amarela no Torneio de Equipes em Londres, em 2012. A convocação de Lin provocou indignação de Jessica Yamada, que perdeu seu posto na seleção. Depois de quase um ano e meio, a chinesa não guarda mágoas da colega e minimiza o ocorrido. "Eu acho que isso é normal para uma atleta que ficou fora da competição. Todo mundo fica chateado, eu mesma ficaria. Hoje, eu e a Jessica somos muito amigas, ela sempre me ajuda", comenta.

NATURALIZADA

A decisão de adotar a nacionalidade brasileira aconteceu em 2008, quando acompanhava os Jogos de Pequim. "Eu estava no Brasil assistindo à abertura da Olimpíada e, quando tocou o hino, eu senti uma vontade ao ver a emoção das pessoas e pensei: 'Quero estar lá um dia'". Com a ajuda do ex-técnico Maurício Kobayashi, a chinesa deu entrada na documentação e batalhou por uma oportunidade na equipe nacional. No Brasil desde os 12 anos de idade para um intercâmbio estudantil, Gui Lin volta ao seu país de origem apenas para visitar os parentes e hoje se sente menos estrangeira. Ela até pensou em adotar um nome brasileiro, mas acabou desistindo da ideia. "Estava tentando escolher, mas, como no tênis de mesa todo mundo já me conheceu com esse nome, decidi não mudar. As pessoas iriam achar estranho", conta.

A mesatenista sente-se grata pelo apoio de Hugo Hoyama e Maurício Kobayashi desde que chegou ao Brasil e mostra empenho para retribuir o carinho dos veteranos. Para Gui Lin, os atletas brasileiros estão evoluindo e passaram a ser mais respeitados pelos rivais estrangeiros. No entanto, ela acredita que ainda falta suporte ao esporte no País. E promete trabalhar para mudar esse cenário. "Eu sei que o sonho deles é elevar o nível do tênis de mesa brasileiro. Eu estou treinando bastante e tentando realizar não somente os meus sonhos, mas os sonhos deles também."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.