Natação com força máxima em casa no Pan

A natação foi o esporte do Brasil que mais medalhas ganhou na última edição dos Jogos, em São Domingos, em 2003: 21. O recorde no número de ouros ainda é o de Winnipeg, em 1999, com 7. Competindo em casa, no Rio a modalidade poderá ter o número máximo de atletas, 42. Mesmo assim, o grupo não fixou como meta bater recordes - de medalhas ou de ouros. Terá rivais fortes, como EUA e Canadá, e vive a incerteza de como serão os últimos meses de preparação.O Governo da Paraíba denunciou a falta de recursos da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos ao informar que financiará disputas para Kaio Márcio nos EUA e na Europa. Da mesma forma, se Thiago Pereira nadar um torneio nos EUA, em fevereiro, os recursos virão do Minas Tênis.O supervisor da seleção, Ricardo Moura, diz ?que a meta é a melhor preparação possível, mas recursos e planejamento são para o grupo, não para programas individuais?, ainda que se trate de Kaio Márcio, recordista mundial dos 50 m borboleta em piscina curta, e Thiago Pereira, finalista olímpico, campeão mundial em piscina curta, recordista brasileiro e sul-americano dos 200 e 400 m medley.Ricardo anunciou que a natação terá uma clínica, no Rio, em fevereiro, só para os 18 convocados para o Mundial de Melbourne, de 25 de março a 1.º de abril, que será usado como preparatório para o Pan. O programa da seleção ainda não foi confirmado, mas ele assegura que haverá 21 dias de treino em altitude, em maio. Se a piscina do Complexo Esportivo de Jacarepaguá ficar pronta a tempo, o último treino da equipe será lá.O Brasil pode ter dois nadadores por prova - o índice de referência é o tempo do medalhista de bronze em São Domingos. No caso de mais atletas com índice, as vagas serão dos dois melhores. Em provas sem índice, serão escalados os dois melhores - o Troféu Brasil, em maio, é a última chance de índice.?Olhando o ranking friamente, tempo a tempo, não tem ouro certo para o Brasil?, observa o técnico Alberto Silva, o Albertinho. Pelos resultados dos últimos seis meses, indica como favoritos ao título o velocista César Cielo, nos 50 e 100 m livre, Kaio Márcio, nos 200 m borboleta, Thiago Pereira, nos 200 e 400 m medley, e Lucas Salatta, nos 200 m costas. ?Os revezamentos são sempre candidatos a medalha?, completa, referindo-se às provas de 4 x 100 m e 4 x 200 m livre e 4 x 100 m medley.Quanto às mulheres, sempre um degrau abaixo na natação brasileira, o técnico aponta Flávia Delaroli, Rebeca Gusmão e Joanna Maranhão como candidatas ao ouro. Ainda assim, para chegar ao título teriam de ?atingir o patamar em que estavam quando nadaram nos Jogos de Atenas?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.