Natação do Brasil estréia no Mundial

No Mundial de Desportos Aquáticos de Fukuoka, em que mais uma vez deve brilhar o australiano Ian Thorpe, as seleções começam a traçar a estratégia para a Olimpíada de Atenas, em 2004. Grande parte dos 119 países participantes optou por competir no Japão com equipes formadas por nadadores consagrados e jovens valores, que estão sendo preparados para Atenas. As provas de natação, que envolvem 600 atletas, começamamanhã e o Brasil, que ainda não tem estratégia definida para o ciclo olímpico, estréia no parque aquático Marine Messe, com Edvaldo Valério e Nicholas dos Santos, nos 50 metros, livre; Alexandre Massura, nos 100 m, costas; Nayara Ribeiro Ledoux, nos 800 m, livre; e o revezamento 4 x 100 m, livre, com Edvaldo, Gustavo Borges, Rodrigo Castro e Carlos Jayme. O revezamento, que conquistou a única medalha, de bronze, da natação brasileira na Olimpíada de Sydney, não terá Fernando Scherer, que não conseguiu índice. O time nadará as eliminatórias com Edvaldo, Carlos Jayme, Rodrigo e Gustavo, nesta ordem, em busca da classificação para a final, às 6 horas de domingo (de Brasília). Nas provas individuais, com Massura, Edvaldo e Nicholas, a expectativa é de classificação entre os 16 semifinalistas. Gêmeas - As irmãs Isabela e Carolina de Moraes terminaram a final do dueto no nado sincronizado na 11.ª e penúltima colocação (com 90,171 pontos). A prova foi vencida pelas japonesas Miya Tachibana e Miho Takeda (98,910 pontos). "Foi mais difícil do que o Mundial de 1998, quando ficamos em 12.º", avaliou Isabela. Para ela, a competição "foi pesada", com a participação de 27 países e excelente nível técnico.No pólo feminino, o Brasil, que já perdeu dois jogos (para o Casaquistão e a Rússia), enfrenta a Nova Zelândia domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.