Natação do Brasil quebra recorde de ouros com vitória do 4x100m

Comandada por Thiago Pereira, anatação do Brasil alcançou nesta sexta-feira seu recorde demedalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos. A vitória dorevezamento 4x100 metros livre masculino sobre os EstadosUnidos na última final do dia garantiu a oitava medalha douradano Rio, uma além das sete conquistadas nos Jogos de Winnipeg,em 1999. Dos oito ouros brasileiros, cinco tiveram a participação deThiago: 400m medley, 200m medley, 200m costas, 4x200m livre e4x100m livre, em que ele nadou a classificatória. Os outros sãode Rebeca Gusmão, nos 50m livre, Káio Márcio, nos 100mborboleta, e de César Cielo, nos 100m livre. A cereja no bolofoi a medalha no revezamento desta manhã, obtido com as quebrasdos recordes pan-americanos e sul-americanos. Fernando Silva, Eduardo Deboni, Nicolas Oliveira e Cielolevaram o Brasil a uma vitória emocionante sobre a equipenorte-americana. Assim como na conquista do 4x200m livre,Nicolas foi fundamental para a vitória brasileira. Ele saltoudepois Deboni atrás dos adversários, mas entregou para Cielofechar já em vantagem. "Eu peguei atrás e coloquei na cabeça que queria entregarna frente para o Cielo, porque eu tinha certeza que seentregasse na frente não teria como os Estados Unidos pegar. Aconfiança que eu tenho no meu companheiro de equipe é muitogrande", disse Nicolas a jornalistas logo após a vitória. Minutos antes, o nadador mineiro havia deixado a piscinafrustrado por não ter conseguido subir ao pódio nos 200m livre.Ele nadou as três primeiras voltas na liderança da prova, masnão teve gás para manter o ritmo e acabou em quarto. A segunda medalha de ouro no Pan, ambas em revezamentos,foram a melhor forma de encontrar consolo. "É uma adrenalina diferente, você não está representando sóvocê mesmo, mas (mais) três companheiros e essa torcida toda.Não é só o meu nome, é o país inteiro. É uma outra motivação,uma outra energia, eu realmente adoro." Considerado pelos próprios companheiros como "trunfo" daequipe brasileira, Cielo vibrou pela quebra do recordesul-americano de 3min17s03, que havia sido marcado pelo Brasilno Mundial de Melbourne, mas com uma formação diferente da doPan. A vitória brasileira foi conquistada com o tempo de3min15s90, com boa vantagem para os Estados Unidos (3min16s66)e para a Venezuela (3min18s97). A marca do Brasil foi a sétimamelhor do mundo em 2007. "A gente superou as expectativas nadando mais de um segundoabaixo do recorde sul-americano", afirmou Cielo, que estava naequipe de Melbourne. "Esse tempo com certeza seria para finalolímpica, mas não é só isso que a gente quer, e vamos seguirtreinando muito e disputando outras competições juntos paramelhorar ainda mais." Cielo, que venceu os 100m livre do Pan, considerou aformação da final como a melhor do Brasil atualmente para aprova. Com o recorde de ouros já batido, os nadadores brasileirosseguem agora atrás do recorde total de medalhas, as 21conquistadas em Santo Domingo-2003. Por enquanto já foram 16 (8de ouro, 3 de prata e 5 de bronze). A competição de nataçãosegue até domingo. Além dos ouros desta sexta, o Brasil também subiu ao pódiocom Monique Ferreira, que conquistou o bronze nos 200m livre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.