Natália brilha, e Osasco festeja fim do jejum

Depois de quatro vices consecutivos, equipe paulista supera o Rio, de Bernardinho, e fica com o título no Ibirapuera

Alessandro Lucchetti, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2010 | 00h00

De tanto perder finais para a Unilever, do Rio, Osasco começou a ser chamado pelas adversárias de Botafogo, freguês do Flamengo em várias decisões cariocas. Ao tomar conhecimento dessa brincadeira, a atacante Natália, maior revelação do vôlei brasileiro, levou na esportiva: "Vai, Fogão!".

Ontem, na decisão da Superliga, no Ginásio do Ibirapuera, a atacante de 21 anos não estava tão descontraída. Enfurecida, confirmou que merece as comparações com Ana Moser. Marcou dez pontos no tie-break, um total de 28 no jogo e foi determinante para o Osasco mudar sua sina.

Depois de quatro derrotas para a equipe carioca em finais da Superliga, o time paulista enfim desentalou o grito de campeão com uma emocionante vitória por 3 a 2 (25/23, 18/25, 19/25, 25/13 e 15/12).

A instabilidade emocional das duas equipes transformou o jogo numa montanha-russa. Osasco começou melhor, forçando o saque sobre as piores receptoras do adversário, Regiane e Érika. Assim que o time carioca conseguiu corrigir o problema, equilibrou o jogo, neutralizou uma desvantagem de quatro pontos e empatou: 23 a 23. Mas Natália acertou dois ataques seguidos e deu a vantagem ao seu time.

No segundo set, uma ótima sequência de saques de Fabiana deixou a equipe de Bernardinho à frente: 7a 3. Sem bom passe, a levantadora Carol cometeu seguidos erros e foi substituída por Ana Tiemi, que não ajudou em nada. O Rio passou a dominar o jogo e virou para 2 sets a 1.

No quarto set, a tática de saque de Osasco voltou a funcionar. Natália, que havia levado um cartão amarelo no set anterior, passou a desequilibrar em mais de um fundamento. A novata foi também a melhor defensora da equipe. No tie-break, o time paulista reagiu depois de tomar 4 a 0. No final, as jogadoras receberam as medalhas de Ronaldo, que havia torcido para a equipe do Rio de Janeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.