Natália se recupera e fica na seleção

O técnico José Roberto Guimarães confirmou a ponteira no grupo e abriu mão de contar com a líbero Camila Brait

Paulo Favero, ENVIADO ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2012 | 03h06

O técnico José Roberto Guimarães fechou seu grupo para a disputa dos Jogos de Londres. Ontem ele anunciou a confirmação da ponteira Natália entre as 12 jogadoras e abriu mão de contar com a líbero Camila Brait, que só seria inscrita se a atacante não se recuperasse a tempo de disputar a Olimpíada. "Todo corte é traumático, é um momento bastante difícil. Agora fechamos o grupo e começa uma nova fase", afirmou o treinador.

A seleção brasileira feminina de vôlei estreia no sábado, contra a Turquia, sua caminhada rumo ao bicampeonato olímpico. Zé Roberto ainda não sabe se Camila Brait continuará com o grupo em Londres. Ela já viajou com a delegação sabendo que poderia ficar fora, mas preferiu ir mesmo assim. Para Natália, que é grande amiga da líbero, fica o alívio de ter lutado contra o tempo ao se recuperar de duas cirurgias para extrair um tumor da canela esquerda. "Acho que todo mundo sabe o que passei para chegar até aqui", afirmou.

Natália é considerada pelo técnico uma jogadora fundamental para a seleção. Segundo o próprio Zé Roberto, ela é uma "fora de série". Ele a considera uma atleta diferenciada, que tem um bom desempenho no bloqueio e costuma ir muito bem no ataque. "Acho que ela está pronta e vai para a porrada. Não deixaria ela na equipe se não tivesse confiança", explicou.

No treino de ontem em Londres, no palco onde será disputada a competição, Natália participou de todas as atividades, mas muitas vezes dava para perceber uma certa falta de ritmo. Ela mesmo se esquiva na hora de responder se está 100% para a competição.

"Estou apta a poder ajudar o grupo", avisou. "A parte mais difícil já passou e acho que estar aqui foi uma vitória pessoal. Tive apoio de muita gente, como o próprio Zé Roberto, a Mari e a Fabiola, que já saíram, meus familiares. Estou muito feliz."

Antes de Camila Brait, Zé Roberto já vinha fazendo outros cortes na equipe. Deixou a levantadora Fabiola de fora, o que surpreendeu muita gente, depois optou por não levar a campeã olímpica Mari, que não vinha em boa fase, e também desistiu de Sassá. Com o grupo definido, ele aguarda agora apenas o momento de estrear e sabe que terá um adversário complicado, a Turquia, que é comandada pelo técnico brasileiro Marco Aurélio Motta. "Será uma partida complicada logo de cara", confessa Zé Roberto. Mas o treinador acha também que uma vitória logo de cara, sobre um rival forte, dá moral para o grupo.

"Gosto de uma primeira fase complicada, pois aí podemos saber até onde vamos chegar na competição", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.