Mário Fernandes/Estadão
Mário Fernandes/Estadão

Após doping nos EUA, brasileiro é novamente pego no Pan-Americano

Pat Mendes ficou na quarta colocação na categoria até 105kg

Estadão Conteúdo

16 de julho de 2015 | 19h05

Contra a vontade de muitos atletas, a Confederação Brasileira de Levantamento de Peso aceitou como atleta brasileiro o norte-americano Pat Mendes, que teve as portas fechadas nos EUA depois de ser pego duas vezes no doping e suspenso por dois anos. Ele competiu no Pan defendendo o Brasil e caiu no doping mais uma vez.

De acordo com o Comitê Olímpico do Brasil (COB), Pat, que foi quarto lugar na categoria até 105kg do levantamento de peso, sem obter medalha, testou positivo para um anabolizante, em exame coletado antes da competição, no domingo. Ele está suspenso provisoriamente até que seja julgado. Se punido, será expulso do esporte.

"Lamentamos o ocorrido e aguardamos o julgamento do atleta por parte das instâncias competentes antes que seja feito qualquer comentário precipitado. No entanto, o Comitê Olímpico do Brasil e a Missão Brasileira em Toronto reiteram a tolerância zero com o doping no esporte", afirmou Roberto Nahon, chefe-médico da Missão Brasileira em Toronto.

Pat já foi conhecido como o "adolescente mais forte dos Estados Unidos". Fenômeno no Youtube, aparece, em vídeos de 2010, batendo o recorde mundial júnior em treinos. Natural de Las Vegas, Pat foi logo tratado como fenômeno, mas não era bem assim.

Campeão norte-americano da categoria +105kg em 2011, levantando um total de 389kg (Fernando Reis Saraiva foi campeão pan-americano naquele ano com 410kg), Pat não repetia nas competições o desempenho dos treinos. Até que passou por dois testes antidoping fora de competição, em 7 e 27 de fevereiro de 2012. Testou positivo para hormônio do crescimento nos dois exames. Admitiu o doping e recebeu dois anos de suspensão. Ficou fora da Olimpíada de Londres, no mesmo ano.

A punição acabou em março do ano passado e, em setembro, Pat já estava competindo pelo Brasil. Ele é filho de pai brasileiro e, com as portas fechadas nos Estados Unidos, decidiu tentar competir na Olimpíada pelos donos da casa. Em maio passado, participou da seletiva para o Pan e se classificou na categoria até 105 kg (uma abaixo da que competia anteriormente), levantando um total de 370 kg, sendo 170 kg no arranco e 200 kg no arremesso. No Pan, teve o mesmo resultado e terminou em quarto lugar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.