NBA inspira Corinthians reserva no Paraná

Time sem nenhum titular quer mostrar potencial diante do Atlético-PR, na Arena da Baixada

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

27 de junho de 2009 | 00h00

Na NBA é assim: brilha mais quem tem grande colaboração do banco. Até mesmo o campeão Lakers contou bastante com a ajuda de seus suplentes para erguer a 15ª taça. Hoje, o Corinthians tenta se mirar na Liga Norte Americana de Basquete para provar que é competitivo sem seus titulares. Às 16h10, na Arena da Baixada, em Curitiba, diante do Atlético-PR, Mano Menezes mandará 11 reservas a campo. A ordem ao "novo grupo" é manter a equipe entre as melhores do Campeonato Brasileiro.Bater o lanterna significa, na pior das hipóteses, fechar a rodada na quinta colocação. Uma árdua tarefa para os reservas, que na competição não conseguiram segurar Internacional e Santos: derrotas por 1 a 0 e 3 a 1, respectivamente. A aposta, agora, é na semana cheia de treinos, com direito a coletivo no time sub-17. Os titulares serão preservados para a decisão da Copa do Brasil, na quarta-feira. "Ninguém se destaca em grupos perdedores. E, para ganhar alguma coisa, tem de contar com o grupo", faz questão de destacar Mano, que odeia dividir o elenco entre titulares e reservas. "Sempre friso que todos são importantes e precisam estar preparados para quando a oportunidade surgir, pois jogam apenas 11", enfatiza.A filosofia de diagnosticar a importância do elenco conta com a admiração de todos. Mas um jogador quer complicar a vida de Mano esta tarde, Morais. Contratado em definitivo, será o maestro do time em Curitiba. "Nunca pensei em deixar o Corinthians e agora, com contrato mais longo (três anos), espero demonstrar o meu melhor e tumultuar a cabeça do treinador", afirma, contente com o final feliz na negociação entre Vasco e Corinthians. Integrado ao clube durante a Série B de 2008, Morais é um dos jogadores de confiança de Mano e visa a ser titular novamente.Hoje, Morais dividirá a armação com Marcinho e terá liberdade para ir ao ataque. Dos 68 gols corintianos em 2009, 14 vieram do banco, média de 20,58%. No Brasileiro, foram cinco dos oito. Nove titulares já foram às redes rivais, contra sete reservas. Morais segue em branco. "A responsabilidade é maior, mas estou preparado para assumir meu papel."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.