Nelsinho festeja sucesso no Japão

Técnico brasileiro vence J-League com Kashiwa Reysol e prolonga contrato até final de 2014

Luís Augusto Monaco - Enviado especial, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2011 | 03h04

NAGOYA - Um aviso para dirigentes brasileiros que procuram treinador para seus clubes: não percam tempo em ligar para Nelsinho Baptista, porque ele está feliz como nunca no Japão e não tem a menor intenção de voltar tão cedo para o Brasil. "Nas outras vezes em que trabalhei aqui sempre estava aberto a ouvir propostas de clubes brasileiros, mas desta vez é diferente. Ainda não terminei o projeto que tenho para Reysol", explicou o treinador.

Esta é a terceira vez que Nelsinho trabalha no Japão. Na primeira, foi bicampeão nacional pelo Verdy Kawasaki em 94 e 95. Na segunda, passou em branco pelo Nagoya Grampus. E no Kashiwa Reysol o início foi duro, porque não escapou do rebaixamento em 2009. Mas no ano seguinte ganhou a 2.ª Divisão, e sábado passado deu ao clube o primeiro título da J-League de sua história. Ontem, na estreia do Mundial de Clubes, venceram o Auckland, da Nova Zelândia, por 2 a 0. Domingo o adversário é o Monterrey.

Além dos bons resultados, o que deixa Nelsinho empolgado é o fato de ter construído um time forte respeitando os limites financeiros do clube. "Hoje há menos investimento no futebol japonês. Os clubes contratam menos estrangeiros, e de um nível mais baixo do que costumavam trazer. O negócio agora é investir na formação de jogadores nas categorias de base."

Em 2011 ele puxou para o elenco principal 11 jogadores. E seis deles são titulares hoje. "É muito gratificante colher os frutos de um trabalho assim. Temos um time jovem e competitivo."

CONFIANÇA

Sua meta agora é incutir na cabeça de seus comandados uma mentalidade vencedora. Ele quer que os atletas se acostumem com as conquistas e com a pressão de lidar com partidas decisivas. E tempo para fazer isso Nelsinho vai ter de sobra, uma vez que prolongou seu contrato com o Kashiwa Reysol até final de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.