Nem ''inglês fluente'' salva Joel em caso de fracasso

Joel Santana é carismático, agrada pela simplicidade e é elogiado por parte da imprensa sul-africana pelo esforço em aprender a falar inglês. Nada disso diminui a pressão exercida sobre ele. Ou seu time tem uma atuação convincente na partida de quinta-feira, contra o Brasil, ou pode aproximar-se o fim de sua experiência como técnico da seleção da África do Sul.Ele sabe que seu trabalho ainda é visto com reservas no país-sede da Copa das Confederações e do Mundial de 2010. Luta contra dificuldades, como a de ter de lidar com uma equipe tecnicamente fraca. Mantém, porém, a postura de vencedor e diz que sua seleção, conhecida como Bafana Bafana, não deve temer o time de Dunga. "Não estou assustado por ter de enfrentar o Brasil", avisa, com confiança. "Estamos prontos e preparados para jogar contra qualquer adversário." Com isso, Joel deixou claro que a África do Sul deve atuar no ataque no confronto pela semifinal da competição, marcado para o Ellis Park Stadium, em Johannesburgo.Embora tenha alcançado a classificação para a segunda fase da Copa, o time da casa não agradou à torcida em dois dos três jogos disputados - na derrota para a Espanha (2 a 0) e principalmente no empate sem gols com o Iraque, na abertura do torneio. Uma vitória sobre o Brasil reverteria a situação e o livraria de críticas até o Mundial. A hipótese é quase totalmente descartada pela imprensa local, descrente de uma eventual classificação para a final da Copa das Confederações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.