Nervosismo tira chance de bronze do pólo aquático

Na semifinal, seleção feminina comete erros na defesa e é derrotada pelas cubanas por 6 a 5

Vinícius Saponara, O Estadao de S.Paulo

22 de julho de 2007 | 00h00

A seleção brasileira feminina de pólo aquático perdeu, nesta sexta-feira, a chance de conquistar a medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro. Com a torcida a favor no Parque Aquático Júlio Delamare, as brasileiras perderam para Cuba por 6 a 5.A decepção foi grande, já que as mulheres do pólo aquático haviam conquistado o bronze nas duas últimas edições dos Jogos - Winnipeg (1999) e Santo Domingo (2003). Na fase de classificação deste Pan, o Brasil bateu Cuba por 10 a 5.Pressionadas por jogarem diante da torcida na luta pelo bronze, as brasileiras começaram nervosas, erraram na defesa e permitiram que Cuba abrisse 2 a 0, em menos de quatro minutos de jogo. Com um gol de Luíza Carvalho na segunda metade do quarto, o Brasil melhorou e por pouco não empatou - foram duas bolas na trave e um pênalti desperdiçado pela capitã Flávia Fernandes.No segundo período, o time do Brasil melhorou na piscina, mas seguiu falhando no ataque. Para piorar, a cubana Lisandra Frometa acertou um chute de longe e fez 3 a 1. Só a partir da metade do quarto é que as brasileiras reagiram e conseguiram o empate com gols de Flávia e Camila Pedrosa, artilheira do País na competição.Após o intervalo e a troca de lado, o jogo ficou mais nervoso. Com muitas faltas e erros de finalização, o Brasil só conseguiu a virada numa jogada pelo meio com Bárbara Amaro. No entanto, uma falha defensiva brasileira custou mais um empate, com o gol cubano a menos de um minuto para o final.No último quarto, um gol de Camila Pedrosa colocou o Brasil em vantagem por 5 a 4, mas a virada veio em menos de um minuto, com gols de Yanelis Andreu e de Danay Gutierrez, autora de três gols no jogo e artilheira do torneio com 16 gols. No desespero, as brasileiras tentaram de tudo, mas erraram nas finalizações e perderam o bronze.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.