Reprodução
Reprodução

Neta de Coaracy ganha Bolsa mesmo sem chance de medalha

COB avalia que atleta não tem condições de subir ao pódio

Demétrio Vecchioli, Estadão Conteúdo

28 Agosto 2015 | 12h17

No dia 25 de março, Ministério do Esporte, Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos e Comitê Olímpico do Brasil (COB) se reuniram para discutir a concessão de Bolsa Pódio ao dueto brasileiro do nado sincronizado. Consultado, o COB afirmou que as atletas não tinham chance de medalha na Rio-2016 e recomendou que se aguardasse o resultado do Campeonato Mundial, realizado neste mês. O governo, entretanto, acatou a opinião contrária, da CBDA, e disse premiar as atletas. Uma das beneficiadas é Luisa Nunes Porto Borges, neta do presidente da entidade, Coaracy Nunes.

A Bolsa Pódio, de até R$ 15 mil, é oferecida pelo governo federal aos atletas de provas não-coletivas que tenham chances reais de medalha nos Jogos Olímpicos de 2016. O gatilho para o caso ser considerado é que os atletas em questão estejam entre os 20 primeiros do ranking mundial ou tenham obtido classificação equivalente no Campeonato Mundial anterior. A partir daí, uma comissão formada por Ministério do Esporte, confederação, patrocinador estatal (no caso, os Correios) e o COB avalia, a partir de critérios técnicos, se a medalha é mesmo possível.

No caso de Luisa Borges (ela não usa o sobrenome do avô no meio esportivo) e Duda Minucci, o resultado obtido para a concessão da Bolsa foi o sétimo lugar na Copa do Mundo do ano passado. A competição, entretanto, não tem caráter de Mundial. A Rússia, campeã mundial seguidamente desde 2001, por exemplo, não participou. Tal informação não consta na ata da reunião que definiu a premiação para as atletas.

"A CBDA acredita que o dueto tem chance de disputar medalhas nos Jogos Olímpicos 2016, desde que atinja as metas estabelecidas para conquistar medalhas", registra a ata em questão, disponibilizada pela reportagem via Lei de Acesso à Informação. Em seguida, o COB argumentou: "O COB sugere que o dueto aguarde o Mundial de Kazan (Rússia) e, ainda, acredita que as atletas não têm chance de medalha nos Jogos Olímpicos 2016". Valeu a tréplica da CBDA, que afirmou "acreditar na evolução técnica das competidoras".

Em julho, o dueto participou dos Jogos Pan-Americanos de Toronto e, pela primeira vez em 20 anos, deixou o Brasil fora do pódio. Depois, no Mundial, ficou em 14.º na rotina técnica em 12.º na rotina livre - na Olimpíada, tais resultados são somados. No nado sincronizado, entretanto, as classificações se repetem, com pouquíssima variação, competição após competição. O escalonamento é muito claro. Desde o Mundial de 2009, os seis primeiros colocados são os mesmos. Nesse período, a Rússia ganhou quatro ouros, a China três pratas, a Espanha dois bronzes. Nos Jogos Olímpicos, o Brasil foi 12.º em Sydney e Atenas, 13.º em Pequim e Londres. O degrau entre os dois estágios é enorme.

A real meta do dueto para 2016 é chegar à final, entre as 12 primeiras, como evidenciou Duda Minucci ao fim do Mundial. "O Mundial é a competição que mais se assemelha aos Jogos Olímpicos para o dueto, e encaramos como um treinamento bem pesado para a Olimpíada. Chegar à final nos motiva ainda mais para buscar uma decisão." Ela e a neta de Coaracy, entretanto, serão financiadas pelo governo como potenciais medalhistas.

CBDA

Questionada sobre os motivos que levavam ao entendimento de que o dueto tem chance de medalha na Rio-2016, a CBDA afirmou apenas que "indicou o dueto porque está dentro do que o edital (do Bolsa Pódio) determina". Já o Ministério do Esporte, quando perguntando se acredita que o dueto tem chance de medalhas, respondeu que "avalia o apoio aos atletas de maneira ampla, com foco no desenvolvimento da modalidade, na equidade entre gêneros e na busca de medalhas."

Quando o edital que contemplou as atletas do nado sincronizado foi aberto, o Ministério do Esporte escreveu à imprensa: "Estar entre os 20 primeiros do mundo em rankings internacionais é apenas o primeiro dos critérios. Outros aspectos de performance e chances de medalha, de acordo com peculiaridades de cada modalidade, são discutidos a cada caso de indicação".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.