Reprodução
Reprodução

Neta de Coaracy ganha Bolsa mesmo sem chance de medalha

COB avalia que atleta não tem condições de subir ao pódio

Demétrio Vecchioli, Estadão Conteúdo

28 de agosto de 2015 | 12h17

No dia 25 de março, Ministério do Esporte, Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos e Comitê Olímpico do Brasil (COB) se reuniram para discutir a concessão de Bolsa Pódio ao dueto brasileiro do nado sincronizado. Consultado, o COB afirmou que as atletas não tinham chance de medalha na Rio-2016 e recomendou que se aguardasse o resultado do Campeonato Mundial, realizado neste mês. O governo, entretanto, acatou a opinião contrária, da CBDA, e disse premiar as atletas. Uma das beneficiadas é Luisa Nunes Porto Borges, neta do presidente da entidade, Coaracy Nunes.

A Bolsa Pódio, de até R$ 15 mil, é oferecida pelo governo federal aos atletas de provas não-coletivas que tenham chances reais de medalha nos Jogos Olímpicos de 2016. O gatilho para o caso ser considerado é que os atletas em questão estejam entre os 20 primeiros do ranking mundial ou tenham obtido classificação equivalente no Campeonato Mundial anterior. A partir daí, uma comissão formada por Ministério do Esporte, confederação, patrocinador estatal (no caso, os Correios) e o COB avalia, a partir de critérios técnicos, se a medalha é mesmo possível.

No caso de Luisa Borges (ela não usa o sobrenome do avô no meio esportivo) e Duda Minucci, o resultado obtido para a concessão da Bolsa foi o sétimo lugar na Copa do Mundo do ano passado. A competição, entretanto, não tem caráter de Mundial. A Rússia, campeã mundial seguidamente desde 2001, por exemplo, não participou. Tal informação não consta na ata da reunião que definiu a premiação para as atletas.

"A CBDA acredita que o dueto tem chance de disputar medalhas nos Jogos Olímpicos 2016, desde que atinja as metas estabelecidas para conquistar medalhas", registra a ata em questão, disponibilizada pela reportagem via Lei de Acesso à Informação. Em seguida, o COB argumentou: "O COB sugere que o dueto aguarde o Mundial de Kazan (Rússia) e, ainda, acredita que as atletas não têm chance de medalha nos Jogos Olímpicos 2016". Valeu a tréplica da CBDA, que afirmou "acreditar na evolução técnica das competidoras".

Em julho, o dueto participou dos Jogos Pan-Americanos de Toronto e, pela primeira vez em 20 anos, deixou o Brasil fora do pódio. Depois, no Mundial, ficou em 14.º na rotina técnica em 12.º na rotina livre - na Olimpíada, tais resultados são somados. No nado sincronizado, entretanto, as classificações se repetem, com pouquíssima variação, competição após competição. O escalonamento é muito claro. Desde o Mundial de 2009, os seis primeiros colocados são os mesmos. Nesse período, a Rússia ganhou quatro ouros, a China três pratas, a Espanha dois bronzes. Nos Jogos Olímpicos, o Brasil foi 12.º em Sydney e Atenas, 13.º em Pequim e Londres. O degrau entre os dois estágios é enorme.

A real meta do dueto para 2016 é chegar à final, entre as 12 primeiras, como evidenciou Duda Minucci ao fim do Mundial. "O Mundial é a competição que mais se assemelha aos Jogos Olímpicos para o dueto, e encaramos como um treinamento bem pesado para a Olimpíada. Chegar à final nos motiva ainda mais para buscar uma decisão." Ela e a neta de Coaracy, entretanto, serão financiadas pelo governo como potenciais medalhistas.

CBDA

Questionada sobre os motivos que levavam ao entendimento de que o dueto tem chance de medalha na Rio-2016, a CBDA afirmou apenas que "indicou o dueto porque está dentro do que o edital (do Bolsa Pódio) determina". Já o Ministério do Esporte, quando perguntando se acredita que o dueto tem chance de medalhas, respondeu que "avalia o apoio aos atletas de maneira ampla, com foco no desenvolvimento da modalidade, na equidade entre gêneros e na busca de medalhas."

Quando o edital que contemplou as atletas do nado sincronizado foi aberto, o Ministério do Esporte escreveu à imprensa: "Estar entre os 20 primeiros do mundo em rankings internacionais é apenas o primeiro dos critérios. Outros aspectos de performance e chances de medalha, de acordo com peculiaridades de cada modalidade, são discutidos a cada caso de indicação".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.