Morry Gash/AP
Morry Gash/AP

New England Patriots bate Seahawks e leva mais um Super Bowl

Franquia conquista o troféu Vince Lombardi pela quarta vez em sua história com grande atuação do seu quarterback, Tom Brady

O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2015 | 01h11

Tom Brady esteve quase perfeito e liderou os Patriots, que alcançaram uma conquista histórica no Super Bowl 49, na noite deste domingo, no imponente estádio da Universidade de Phoenix, em Glendale, Arizona. O New England venceu o Seattle Seahawks por 28 a 24, numa partida com duas viradas, que ficará marcada com uma das melhores finais da NFL, a liga de futebol americano dos EUA.

Foi o quarto título dos Patriots e também o quarto do quarterback Tom Brady, casado com a modelo brasileira Gisele Bündchen. Ele foi o melhor jogador de um time que venceu por conta da estratégia, da raça e do poder de superação. Julian Edelman também se destacou.

A defesa do New England também esteve bem e conseguiu parar as três primeiras corridas do forte Marshawn Lynch. Como o Seattle era dono da melhor defesa da NFL, os Patriots optaram por correr com a bola. Com isso, evitava as interceptações - ponto forte dos adversários - e facilitavam a vida de Tom Brady, que ficava menos exposto.


O quarterback dos Seahawks, Russell Wilson, tinha dificuldade de encontrar companheiros no ataque e isso o obrigava a carregar demais a bola, na tentativa de ganhar algumas jardas. O ataque dos Patriots também falhava, até que Tom Brady fez um grande passe para Brandon Lafell, que fez o primeiro touchdown da partida, já no segundo quarto.

Atrás no placar, os Seahawks acordaram. E a reação foi rápida. O empate veio num lance de Marshawn Lynch. O New England, no entanto, estava bem e passaria novamente à frente quando Brady, em outro grande lançamento, possibilitou a Gronkowski receber na end zone.

Quando se esperava que os Patriots iriam para o intervalo em vantagem, Wilson achou outro herói improvável, Chris Matthews, que a 6 segundos do fim do segundo quarto fez o segundo touchdown de seu time. Com o aproveitamento do ponto extra, o jogo foi para o intervalo empatado: 14 a 14. Durante a primeira etapa, ao fazer uma interceptação, Jeremy Lane, do Seattle, fraturou o braço esquerdo em queda feia.

Logo no início do segundo tempo, o Seahawks passou pela primeira vez à frente do placar, 17 a 14, ao marcar um field goal. Forte na defesa e eficiente no ataque, o time de Seattle abriu 10 pontos faltando pouco mais de 5 minutos para o fim do terceiro quarto.

Com muita raça e grande atuação de Tom Brady e de Julian Edelman, os Patriots conseguiram encostar no placar, ao chegar a 21 pontos contra 24 do rival com menos de 8 minutos para o fim da decisão.

O Seattle parecia assustado e os Patriots esbanjavam confiança. Brady continuava fazendo passes fantásticos e levou seu time à virada com 2 minutos para o fim da partida, com um touchdown concretizado por Julian Edelman: 28 a 24. Mesmo com a vantagem obtida no fim, nada estava ganho.

Num dos últimos suspiros da final, os Seahawks ficaram a pouquíssimas jardas da end zone após Jermaine Kearse conseguir pegar, na sorte, lançamento de Russel Wilson. Porém, a equipe optou pela jogada errada, e, ao invés de forçar a passagem para o touchdown, escolheu tentar o lançamento no meio para Ricardo Lockette, em jogada que acabou interceptada por Malcolm Butler.

A 20s do fim, coube ao New England Patriots comemorar a conquista de mais um troféu Vince Lombardi. Um título merecido, que nem a briga entre os dois times nos segundos finais do jogo conseguiu ofuscar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.