Neymar aumenta a coleção de prêmios

Atacante do Santos ganha a Bola de Ouro e a Bola de Prata no Brasil, mas está fora da escolha do melhor do mundo

BRUNO DEIRO , O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2011 | 03h06

Em um ano repleto de conquistas pessoais, Neymar terá de esperar mais um pouco para adicionar o principal prêmio individual do futebol, a Bola de Ouro da Fifa, a sua promissora galeria. O jovem santista ficou de fora da lista final, que tem Messi e Xavi, do Barcelona, e Cristiano Ronaldo, do Real Madrid - o melhor jogador do mundo deste ano será conhecido no dia 9 de janeiro.

Em 2011, Neymar enfileirou prêmios nos torneios que disputou: foi eleito o melhor do Campeonato Paulista e da Libertadores, pelo Santos, e do Sul-Americano Sub 20, pela seleção brasileira. Ontem à noite era forte candidato a ganhar como craque do último Brasileiro, mesmo com seu time terminando em 10.º lugar. Em votação entre especialistas da Revista Placar e da ESPN ele ainda ganhou ontem a Bola de Ouro como melhor jogador do Nacional, a Bola de Prata como atacante e a chuteira de ouro.

Após ficar de fora do prêmio da Fifa, o próprio Neymar considerou "muito justa" a escolha da entidade e disse que foi uma façanha ter sido o único jogador de fora da Europa a ter figurado na lista de 23 melhores da atualidade. "Só por estar na lista foi uma conquista. E não só por mim, mas para todos os jogadores que atuam no Brasil, por ser uma coisa nova", disse ele. "Espero que mais atletas que atuam aqui também possam fazer parte desta lista nos próximos anos."

Aos 19 anos, Neymar perdeu a chance de ser o jogador mais jovem a receber o prêmio de melhor do mundo. Até hoje, a distinção pertence a Ronaldo, que em 1996 foi escolhido aos 20 anos, quando atuava pelo Barcelona.

Neymar, ainda assim, foi classificado entre os três finalistas pelo prêmio Puskas, que elege o gol mais bonito de 2011 - concorrem também Messi e o inglês Rooney, do Manchester United. O santista também disputa um lugar na seleção do ano da Fifa.

"Estou feliz só por estar entre os 23 e, mais ainda, por estar entre os três que concorrem ao prêmio Puskas, que espero vencer", disse o santista. "Não jogo para ser o número 1 ou entrar em qualquer lista. Jogo para ajudar o Santos a conquistar títulos e para me divertir." O gol escolhido pela Fifa para concorrer é o marcado sobre o Flamengo, na derrota por 5 a 4, na Vila.

Agora, Neymar vai em busca do título mais importante do ano no Mundial do Japão, em uma provável disputa direta com Messi pelo prêmio de melhor da competição. "Está sendo um ano maravilhoso, com muitas conquistas individuais e pelo Santos, mas o ano não acabou", disse ele, que lembrou ainda o nascimento do filho Davi Lucca. "A conquista mais especial, sem dúvidas, foi o meu filho."

Repetição. Os escolhidos pela Fifa para a votação final não causaram surpresa. Eleito nos dois últimos anos, Messi terá pela frente Cristiano Ronaldo, a quem derrotou em 2009, e Xavi, que concorreu em 2010. O português, escolhido pela Fifa em 2008, é a principal ameaça ao argentino. A disputa "espanhola" se repete entre os técnicos, com Pep Guardiola, do Barça, e José Mourinho, do Real, além de Alex Ferguson, do Manchester United. No feminino, Marta é a favorita para levar o troféu pela sexta vez seguida - concorre com a japonesa Homare Sawa e Abby Wambach, dos EUA. / COLABOROU JAMIL CHADE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.