Neymar escapa de punição pesada e pega só dois jogos

Expulso contra o Palmeiras, atacante se livra de suspensão de 18 jogos, que poderia tirá-lo do Campeonato Paulista

Bruno Deiro, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2010 | 00h00

O Santos livrou-se ontem de perder Neymar nas fases finais do Paulista. Ameaçado por até 18 jogos de gancho, o jovem atacante pegou punição de duas partidas pela expulsão no clássico com o Palmeiras, na Vila Belmiro.

No julgamento, o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) confirmou sua inclinação de abrandar a pena para o santista, como havia dito ao Estado o procurador Antônio Carlos Meccia.

O Tribunal descaracterizou a entrada de Neymar no volante Pierre, do Palmeiras, como agressão física e considerou o lance como jogada violenta. No depoimento, Neymar disse que as ofensas ao árbitro foram "um desabafo" e foi inocentado da outra acusação, de conduta contrária à disciplina desportiva.

Neymar cumpriu pena no jogo com o Ituano e ficará de fora novamente contra o Botafogo, quinta-feira, em Ribeirão. Retorna ao time no domingo contra o Monte Azul, na Vila.

O camisa 17 foi julgado pela falta dura que cometeu em Pierre, logo após o gol de empate do Santos no clássico, que terminou com vitória do Alviverde por 4 a 3 . Segundo o juiz, o jovem atacante ainda ofendeu a arbitragem antes de deixar o campo.

Na súmula, Antonio Rogério Prado relatou que Neymar desferiu "um pontapé atingindo por trás as pernas de seu adversário". Depois de levar o vermelho, o santista "proferiu as seguintes palavras: "Vai tomar no...""

Na pior das hipóteses, as atitudes poderiam custar a Neymar 18 jogos de suspensão. O jovem atacante havia sido denunciado pelo TJD por agressão física (pena de quatro a doze partidas) e conduta contrária à disciplina desportiva (um a seis jogos).

Declaração infeliz. O santista Paulo Henrique não foi julgado, mas teve de se explicar ontem diante do Tribunal. Ele foi intimado a depor por causa de uma declaração após a vitória por 2 a 1 no clássico com o Corinthians.

Logo que a bola rolou, o meia deu uma entrada dura em Ronaldo e depois confirmou, em entrevista à Rádio Eldorado/ESPN, que foi proposital. "O Ronaldo saiu um pouco lento ali e eu cheguei meio que empurrando só para dar uma acordada nele, para dizer que ele não estava no Pacaembu e sim na Vila Belmiro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.