André Lessa/Estadão
André Lessa/Estadão

Neymar joga Superclássico das Américas nesta quarta para tentar acabar com sina

Contra a Argentina, craque do Santos terá a oportunidade de finalmente brilhar no país vizinho

MATEUS SILVA ALVES, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2012 | 02h06

SÃO PAULO - Dois meses e dois dias depois do primeiro jogo do Superclássico das Américas, em Goiânia (para quem já esqueceu: o Brasil venceu por 2 a 1), a seleção brasileira vai enfrentar a Argentina nesta quarta, às 22h (de Brasília), em Buenos Aires, na disputa de uma taça que não entusiasma ninguém - o time brasileiro joga pelo empate. Ao menos a partida dará a Neymar a chance de fazer algo que ainda não conseguiu: brilhar intensamente no país vizinho.

A Argentina não faz muito bem à principal estrela do futebol brasileiro. Todas as vezes em que entrou no país de Maradona e Messi, Neymar deu a impressão de ter deixado seu talento na alfândega. Esse problema surgiu quando ele disputou a Copa América, no ano passado. O craque do Santos era uma das duas maiores atrações do torneio (a outra era Messi) e esperava-se ansiosamente por um tira-teima entre eles na final, mas Neymar negou fogo em seu primeiro grande teste na seleção, que caiu nas quartas de final.

Ainda no ano passado, mais uma visita frustrada à Argentina. A ocasião era a primeira partida da edição inicial do Superclássico das Américas e o jogo, disputado em Córdoba, foi um tedioso 0 a 0 principalmente porque Neymar não jogou nada.

A coisa ficou ainda pior no primeiro semestre deste ano, quando o Santos foi a Buenos Aires para enfrentar o Vélez Sarsfield, pelas quartas de final da Libertadores da América. O até então desconhecido lateral Peruzzi fez seu nome às custas do craque, que teve uma das piores atuações de sua carreira naquela noite de derrota santista por 1 a 0.

Agora que terá mais uma oportunidade de finalmente impressionar os argentinos com seus truques, Neymar está animado. O fato de Brasil e Argentina não entrarem em campo com suas formações principais (apenas jogadores que atuam nos dois países participam da competição) não parece aborrecer o astro.

"A gente tem de aproveitar sempre a chance de jogar pela seleção, é um sonho de todo mundo", disse ele. "E, querendo ou não, é um título que estará em jogo, e nós vamos fazer de tudo para conquistá-lo."

Tanto faz. Nos últimos quatro amistosos da equipe principal do Brasil, Neymar foi escalado por Mano Menezes como o jogador mais avançado da equipe - um falso centroavante, por assim dizer. E ninguém pode negar que seu desempenho foi bom, já que ele marcou sete gols nesses jogos (há de se levar em conta, no entanto, que o fato de o Brasil ter jogado contra China e Iraque ajudou a inflar esse número).

Em Bueno Aires, porém, o santista vai voltar a ter um centroavante de verdade a seu lado no ataque da seleção. Ele formará dupla com Fred, artilheiro do Campeonato Brasileiro, que não veste a camisa amarela há mais de um ano. E Neymar jura que para ele não faz a menor diferença a posição em que jogará. "O que eu quero é jogar, independentemente de ficar fixo na frente ou não."

Além de servir para Neymar acabar com a sina de sempre falhar na Argentina, a partida de hoje dará a muitos jogadores a chance de mostrar serviço para Mano Menezes e, assim, aparecer nas próximas convocações do técnico. O jogo deveria ter sido disputado em 3 de outubro, na cidade de Resistência, mas faltou luz no Estádio Centenário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.