Neymar não brilha e Santos perde

Parado com excessivo número de faltas, craque não consegue conduzir o seu time à vitória e o Atlético-GO vence: 2 a 1

FELIPE RECONDO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2012 | 02h02

Quem pagou pelo menos R$ 80 para ver Neymar jogar ontem no Bezerrão, na cidade-satélite do Gama, talvez tenha se arrependido do alto investimento. Bem marcado pela defesa do Atlético-GO - algumas vezes com truculência -, o craque pouco fez em uma partida em que o Santos deu o vexame de ser derrotado de virada por uma equipe já rebaixada para a Série B do Campeonato Brasileiro. Foi o centésimo jogo de Neymar na história do torneio nacional.

A diretoria do Atlético esperava que a simples presença de Neymar bastasse para que o Bezerrão ficasse lotado, mas ela foi traída por sua ganância. Menos de oito mil pessoas foram ao jogo, prova de que os altos preços dos ingressos foram os culpados pelos vários espaços vazios nas arquibancadas do estádio.

Uma semana depois de dar um show contra o Cruzeiro, com três gols, uma assistência e tratamento caloroso por parte da torcida adversária, Neymar esteve longe de ser brilhante. Ainda assim, participou do gol alvinegro, no finzinho do primeiro tempo. Um cruzamento do atacante foi escorado por André e Bruno Rodrigo mandou a bola para o gol.

Chances perdidas. O público que pagou para ver Neymar de perto - e que gritou muito cada vez que ele tocou na bola - queria ver um gol do craque e isso esteve perto de acontecer duas vezes. Na primeira chance do menino, a cabeçada saiu por cima do gol. Ele estava completamente livre. Na segunda, seu chute passou à esquerda do gol.

Diante da pressão do Atlético e da marcação cerrada sobre ele, Neymar fez uma falta dura e levou um cartão amarelo no segundo tempo. Ele estava claramente incomodado com o trabalho dos defensores adversários.

Na segunda etapa, o Atlético jogou melhor do que na primeira - e com muita vontade, como se ainda lutasse contra o rebaixamento. Após uma bola perdida por Neymar no campo de ataque santista, o time goiano armou um contra-ataque e Diogo Campos escorou um cruzamento da direita para colocar a bola por entre as pernas do goleiro Rafael.

Os contra-ataques eram mesmo a principal arma do Atlético e foi assim que a equipe goiana chegou à virada. Aos 42 minutos, Rafael derrubou Ernandes na grande área e o árbitro marcou um pênalti que foi muito bem cobrado pelo goleiro Márcio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.