Neymar reconhece que fez bobagem

Durante reunião com seu pai, agente e dirigentes do Santos, craque mostra que está consciente dos erros cometidos

Wagner Vilaron, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 00h00

Parece que os últimos episódios que tiveram Neymar como protagonista - a polêmica que resultou na saída do técnico Dorival Júnior do Santos e a ausência da lista de convocados para a seleção brasileira - fizeram "a ficha cair". Em reunião realizada nesta semana, que contou com a presença de Neymar, de seu pai, de dirigentes santistas e do agente do atleta, Wagner Ribeiro, o atacante reconheceu que cometeu alguns erros nos últimos dias, que motivaram o atual inferno astral do craque.

Depois que todos os participantes do encontro expuseram suas opiniões, Neymar foi convidado a falar. E foi sucinto: "pô, gente, fiz uma p... c... Não tem muito o que dizer", afirmou o jogador. "Não foi legal, por isso pedi desculpas para todo mundo."

Ao lado da família e de outras pessoas de sua confiança, Neymar acompanhou toda a repercussão dos acontecimentos que o envolveram nos últimos dias. "Mostramos para o Neymar que tudo o que ele faz hoje tem uma repercussão grande", explicou o gerente executivo de marketing do clube, Armênio Neto. "E isso vale para as coisas boas e as ruins. Mas é fundamental que as pessoas entendam que esse jogador que apareceu nas confusões não é o verdadeiro Neymar. Quem o conhece sabe que se trata de um garoto tímido, super boa gente."

E é com esse carisma que o dirigente conta para não permitir que essa fase de problemas interfira na imagem do atleta. "Algumas pessoas reclamam do comportamento dele (Neymar), dizendo que ele foi marrento e coisa e tal", disse Neto. "Mas essas mesmas pessoas, quando são santistas, o aplaudem e, quando torcem para outros clubes, dizem que gostariam de tê-lo no seu time. O Neymar, além de talentoso, é muito carismático."

Inferno astral. Coincidência ou não, as polêmicas com Neymar começaram logo após o anúncio de que o atacante não aceitou proposta milionária do Chelsea, da Inglaterra, para ficar no Santos. Claro, com um novo contrato.

O primeiro mal-entendido ocorreu na partida contra o Avaí, na Vila Belmiro, quando Neymar, a exemplo do que fizera com o zagueiro Chicão, do Corinthians, voltou a dar um lençol no adversário com o jogo parado. Dessa vez a vítima foi o volante Marcinho Guerreiro. O então técnico do clube catarinense, Antônio Lopes, afirmou que Neymar tentara humilhar seus jogadores ao lembrá-los o quanto recebe por mês de salário.

Poucos dias depois, o garoto iniciou uma confusão no gramado do Castelão, em Fortaleza, ao discutir com o volante João Marcos, do Ceará, logo após o encerramento da partida.

Contra o Atlético-GO, na Vila Belmiro, Neymar xingou o técnico Dorival Júnior e o zagueiro e capitão do Santos, Edu Dracena. O episódio provocou a série de polêmicas que resultou na saída de Dorival do comando santista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.