Neymar sozinho vence o Coritiba

Após primeiro tempo apagado, craque acorda, faz dois gols na vitória de virada por 2 a 1 e Santos sonha com Libertadores

MARCIUS AZEVEDO, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2012 | 03h02

Neymar jogou segunda-feira pela seleção brasileira. Entrou em campo novamente na quarta, contra o Flamengo, agora pelo Santos. E ontem provou mais uma vez que Muricy Ramalho está certo ao ignorar o desgaste dessa maratona. O atacante foi decisivo na vitória sobre o Coritiba por 2 a 1, no Couto Pereira, em um segundo tempo primoroso.

O Santos perdia por 1 a 0 após os primeiros 45 minutos e correu o risco de ver o rival ampliar no início da etapa final até que Neymar, então bastante apagado, despertou. O atacante, que pela primeira vez foi o capitão da equipe, marcou dois gols - tem 36 em 38 jogos pelo clube nesta temporada - e virou o placar.

Com Neymar apagado, o início do Santos não foi promissor. A jogada de bola parada que deu tantas vitórias aos times comandados por Muricy assumiu o papel de vilã. O Coritiba abriu o placar logo aos 10 minutos em uma cobrança de falta de Ayrton. Bruno Rodrigo vacilou, Rafael ficou debaixo das traves e Deivid, de cabeça, marcou.

O Santos apostava tudo no talento de Neymar para minimizar os erros de um setor defensivo desfalcado. Durval, Adriano e Léo não estavam em campo. E os substitutos escolhidos por Muricy deixavam a desejar.

O problema é que o atacante não tinha muito espaço para suplantar os marcadores com sua velocidade e habilidade. Quando conseguia ganhar terreno era invariavelmente derrubado.

Com o seu craque bem marcado, o Santos foi criar sua primeira chance apenas aos 35 minutos, em um chute de fora da área do argentino Pato Rodríguez. Neymar apareceu bem só aos 40, em uma cabeçada que obrigou Vanderlei a fazer defesa difícil.

A postura do Santos nos minutos finais da etapa inicial fez com que Muricy evitasse mudanças no intervalo. Foi um erro de avaliação do treinador. A equipe continuava com problemas de criação e apresentava falhas defensivas. O Coritiba quase ampliou em três oportunidades.

Muricy não demorou mais do que 10 minutos para corrigir o equívoco. Bernardo entrou no lugar de Éwerton Páscoa, peça nula no esquema santista, para dar mais criatividade ao time.

A alteração empurrou o Santos para o ataque. O Coritiba se retraiu, e o time de Muricy passou a trocar passes no campo ofensivo, buscando furar o sistema defensivo do rival. Neste cenário, Neymar, enfim, brilhou e decidiu o jogo.

O gol de empate, aos 25, foi uma pintura. Mais uma para o extenso currículo do craque. Neymar recebeu de Bernardo, fez fila na defesa do Coritiba e driblou ainda o goleiro Vanderlei antes de finalizar.

O da virada foi de puro oportunismo. Ligado, Neymar acompanhou o desfecho de jogada de Pato Rodríguez. Vanderlei bateu roupa no chute do argentino e o craque fez no rebote.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.