Neymar voa e ''homens de Dunga'' caem

Adriano anda em baixa, Nilmar vive fase ruim, Luís Fabiano já esteve [br]melhor e Robinho é coadjuvante do garoto

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2010 | 00h00

Apesar da insistência do técnico Dunga em dizer que o grupo está fechado para a Copa da África do Sul, daqui a 51 dias, o fato é que os quatro atacantes que contam com a preferência do treinador não vivem grandes momentos. Situação completamente oposta à da promessa Neymar, preferência nacional por uma vaga na seleção brasileira.

Luis Fabiano, titular absoluto de Dunga, enfrentou contusões e fase de poucos gols. Agora, embora tenha reagido - fez um na vitória do Sevilla por 3 a 0 sobre Sporting Gijón no sábado - ainda não repete seus melhores momentos. Tanto que, na briga pela artilharia do Campeonato Espanhol, soma 11 gols, muito longe de Lionel Messi (27), Higuaín (25) ou Cristiano Ronaldo (20).

Situação pior vive Nilmar, que conquistou a confiança de Dunga pelo desempenho nos últimos amistosos da seleção, mas que não consegue brilhar em seu clube, o Villarreal. Marcou um gol a menos que Luis Fabiano (10) no Campeonato Espanhol e seu time ocupa a 6.ª colocação, fora da Copa dos Campeões.

Adriano, então, outro que sempre esteve nos planos do técnico para a seleção, vive momento conturbado dentro e fora de campo. Jamais conseguiu se livrar das polêmicas e ainda alterna bons e maus momentos no Flamengo. Domingo, por exemplo, errou o pênalti que tirou seu time da disputa pelo título carioca.

Robinho, titular absoluto do time canarinho, também não conseguiu ainda se reerguer totalmente do fracasso de sua passagem pelo futebol europeu - amargou a reserva no Real Madrid e no Manchester City. De volta ao Brasil, tem jogado bem no Santos, mas é coadjuvante da estrela Nilmar.

Até mesmo a primeirão opção de Dunga para a suplência dos quatro preferidos não anda bem. Grafite não repete este ano pelo Wolfsburg o desempenho da temporada passada, quando foi campeão e artilheiro do Alemão, com 28 gols em 25 partidas. Agora, seu time é o 8.º colocado e Grafite marcou 11 gols em 31 rodadas.

Já Neymar é a mistura perfeita da velocidade de Nilmar e Robinho com a sede de gols de Luis Fabiano, Adriano e Grafite. Quando subiu para o profissionalismo em 2009, era visto com um novo Robinho, atacante de velocidade e drible fácil. Mas, passado pouco mais de um ano, se firma também como artilheiro. Neste ano, foram 21 gols em 21 jogos, média de um por jogo - 12 em 17 do Campeonato Paulista e 9 em 4 da Copa do Brasil. Ou seja, ao contrário dos concorrentes, vive um momento mágico.

OS 4 FAVORITOS

Robinho

A volta ao Brasil lhe fez bem. Mas é fato que o Rei das Pedaladas se tornou coadjuvante de Neymar no Santos em 2010

Luis Fabiano

O atacante titular de Dunga brilhou no ano passado, principalmente na Copa das Confederações, mas nos últimos meses sofreu com algumas contusões e não tem sido tão decisivo como costuma ser para o Sevilla

Adriano

Com contusão lombar e fora de forma, Imperador desfalcou o Flamengo em três jogos. Voltou no domingo e perdeu pênalti na decisão com o Botafogo

Nilmar

Transferiu-se do Inter para o Villarreal em 2009 e não vem conseguindo grande destaque no futebol espanhol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.