Matt Patterson/AP
Matt Patterson/AP

NFL abre investigação após acusações de abuso sexual contra Deshaun Watson, do Houston Texans

Três mulheres moveram processos contra o quarterback de 25 anos do time do Texas

Ben Shpigel, The New York Times

22 de março de 2021 | 10h00

A NFL começou a investigar na quinta-feira passada a conduta do quarterback Deshaun Watson, astro dos Houston Texans, acusado em processos civis de ter abusado sexualmente de três massagistas. Os processos foram apresentados há uma semana em Harris County, no Texas. Em carta endereçada a Tony Buzbee, advogado que representa as três querelantes de Houston, a advogada Lisa Friel, designada especial para investigações dentro da liga, solicitou a cooperação das acusadoras. Buzbee publicou a carta no Instagram, mas, posteriormente, apagou-a. Um porta-voz da liga disse que o assunto está sendo analisado em vista da política de conduta individual da NFL. Essa política diz respeito ao comportamento de atletas e treinadores fora de campo.

Em comunicado publicado na quinta, os Texans disseram que "continuarão a tratar com seriedade este episódio e todas as demais questões envolvendo membros da organização Houston Texans" e que a equipe não faria mais comentários até que a investigação da liga chegasse ao fim. Com frequência, a NFL leva meses para concluir suas investigações, que incluem entrevistas com os acusadores e os funcionários da competição, e também com as autoridades.

No início da quinta, Buzbee disse no Instagram que ao todo nove mulheres tinham feito acusações contra Watson, que não comentou o assunto publicamente após publicar uma mensagem no Twitter na noite de terça-feira, depois que a primeira queixa contra ele foi apresentada. Watson disse jamais ter "faltado com o respeito a nenhuma mulher" e ter rejeitado "uma exigência de acordo sem nenhuma base no valor de centenas de milhares de dólares" apresentada por Buzbee antes da abertura do processo.

A terceira queixa, apresentada na noite de quarta-feira, ecoava descrições do mesmo comportamento detalhado nos dois outros processos contra Watson. A acusação diz que Watson, de 25 anos, pressionou a mulher a realizar sexo oral nele durante uma massagem realizada no dia 28 de dezembro em um prédio de escritórios em Houston. Watson, que entrou em contato com a mulher por meio de mensagens diretas no Instagram, começou a ditar agressivamente como ela deveria massageá-lo, diz a queixa, pedindo à profissional que massageasse suas coxas e a "parte interna dos glúteos". Watson então a instruiu a tocar a genitália dele, de acordo com a queixa, puxando em seguida a boca dela na direção do seu pênis. De acordo com a queixa, a mulher ficou tão chocada que desmaiou por alguns minutos. Watson se vestiu e foi embora sem se desculpar, diz a queixa.

Watson contratou Rusty Hardin, conhecido advogado de defesa que também mora em Houston. Hardin já representou outros atletas conhecidos na cidade, incluindo Roger Clemens e James Harden. Em entrevista pelo telefone, Hardin não quis debater o caso e disse apenas que ainda estava se inteirando dos detalhes. Depois que a liga concluir sua investigação, Watson pode ser multado ou suspenso caso seja confirmado que ele violou a política de conduta individual da NFL. Ele pode recorrer da punição.

Em 2014, a liga começou a contratar seus próprios investigadores profissionais, incluindo Lisa Friel, ex-promotora de Nova York, para analisar alegações de má conduta fora dos gramados, em particular no que diz respeito a abusos sexuais e violência doméstica. Antes disso, a liga costumava depender das agências de policiamento e das decisões dos tribunais antes de determinar punições para os envolvidos./TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.