NFL: Cowboys batem recorde de público em seu novo estádio

105.121 pessoas assistiram o rival New York Giants vencer o jogo por 33 a 31 na segunda rodada da temporada

21 de setembro de 2009 | 17h57

Larry W. Smith/EFE

Visão panorâmica do novo estádio do Dallas Cowboys durante a apresentação do jogo diante dos Giants

SÃO PAULO - O Dallas Cowboys perdeu seu primeiro jogo em casa nesta temporada em seu novo estádio, de US$ 1,15 bilhão (cerca de R$ R$ 2,76 bilhões), mas pelo menos conquistou o maior público da história numa temporada regular da NFL, apesar da crise econômica que ainda assola os Estados Unidos.

Ainda durante a derrota por 33 a 31 para o rival New York Giants, o dono dos Cowboys e idealizador do megaprojeto, Jerry Jones, comemorava o anúncio oficial do público presente: 105.121, passando em quase dois mil o recorde anterior de 103.467, registrado na vitória do Arizona Cardinals sobre o San Francisco 49ers no Estádio Azteca, no México, em 2005. Em solo americano, o recorde era de 103.985 no Super Bowl de 1980 entre o Pittsburgh Steelers e Rams no Rose Bowl, em Pasadena.

Como tudo no Texas, o estádio é colossal. Com área construída de 210 mil m², o novo ícone texano é a principal referência em estádios cobertos no mundo. Além disso, as portas de 60 por 37 metros, localizados em cada ponta, são as maiores portas automáticas de vidro do mundo. O destaque, no entanto, é o telão, que na verdade são quatro, e custou US$ 40 milhões (aproximadamente R$ 73,2 milhões) e possui 2.322 m² (equivalente a quase seis quadras de basquete) foi colocado no centro do gramado, a 27 metros de altura - ou um prédio de nove andares.

Com tamanha estrutura, o Dallas Cowboys teve de aumentar o preços dos ingressos em 89,9%, fazendo com que a média passasse de US$ 74,99 a US$ 159,65 (cerca de R$ 289,00). O restante da liga, no entanto, manteve diminuiu os preços com medo de perder arrecadação por conta da crise.

O JOGO

Com a festa pronta, o Dallas Cowboys tinha como adversário ninguém menos que o rival New York Giants, mas errou demais, cometendo quatro turnovers (erros) que foram cruciais, sendo três deles interceptações do quarterback Tony Romo.

Campeão do Super Bowl da temporada retrasada, os Giants de Nova York mostraram que, mesmo num dia ruim da defesa, o ataque comandado por Ely Manning poderia garantir a vitória. Com a desvantagem de 31 a 30 faltando pouco mais de três minutos, o quarterback liderou o time em 11 jogadas, conquistando 56 jardas até uma posição decente para a conversão do field goal de 37 jardas de Lawrence Tynes, dando a vitória por 33 a 31.

"Estou desapontado pelo Jerry Jones porque eu queria vencer este jogo por ele. Eu acho que nosso time também queria isso por ele ser um grande dono e ter realizado uma obra como esta [o estádio]", disse o técnico dos Cowboys, Wade Phillips, que continua sendo muito criticado por não dar uma cara ao time mais popular da NFL.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.