No Beira-Rio, Corinthians faz 3ª decisão

Depois de passar por Fluminense e Santos fora de casa, time enfrenta Internacional em clima de rivalidade que ganhou força com grandes duelos recentes

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2010 | 00h00

O Corinthians fez festa nas duas últimas vezes em que esteve no Beira-Rio para encarar o Internacional em 2009. Primeiro, com a conquista da Copa do Brasil, depois, ao bater os rivais por 2 a 1 no Campeonato Brasileiro. Hoje, às 16 horas, os times voltam a se enfrentar no local e os Alvinegros buscam um resultado positivo para não ver sua liderança ameaçada. Será a terceira "decisão" (duelo com candidatos ao título) no segundo turno. Nos outros, como visitante, vitórias por 2 a 1 sobre o Fluminense e 3 a 2 no Santos.

"Começamos a apresentar um bom futebol fora de casa e esperamos repeti-lo. Em competição por pontos corridos, nunca vi time ruim ser campeão. O nosso é bom e espero que siga jogando bem", afirmou o volante Elias, embalado pela boa fase e também pela primeira convocação à seleção brasileira.

Elias tem razão em frisar o crescimento corintiano. No primeiro turno, a equipe fez apenas sete pontos dos 24 disputados em suas visitas, ou 29,1% de aproveitamento, ganhando apenas do Grêmio. Em três duelos na segunda fase, são os mesmos sete pontos, agora para excepcionais 77,7% e vitórias diante de Fluminense e Santos. A boa fase passará por mais um duro teste hoje, diante de um candidato à taça e entre melhores elencos do País.

"É mais um jogo decisivo. Desde o Fluminense, só temos decisão, um oponente direto na luta pelo título pela frente. Jogando fora é complicado, mas, se a gente ganhar, acaba enfraquecendo a vontade deles de buscar o G3 (o Internacional já está na Libertadores de 2011)", acredita o zagueiro Paulo André, novamente formando dupla com William enquanto Chicão não se recupera de lesão. "Espero ganhar para tirarmos mais um concorrente da briga", enfatiza. Para os corintianos, o triunfo diante do Santos, por 3 a 2, praticamente eliminou os arquirrivais da briga. A diferença entre ambos subiu, após o jogo, para 12 pontos. Ganhar significa ao alvinegro colocar 11 de vantagem sobre os gaúchos.

Será o confronto entre dois dos melhores meio-campos da competição. De um lado, Guiñazu, Tinga, D"Alessandro e Giuliano, campeões da Taça Libertadores da América. Do outro, Ralf, de volta após recuperar-se de contusão, Jucilei e Elias, ambos nos planos do técnico Mano Menezes para vestir a camisa da seleção brasileira, e Bruno César.

"Vai ser um jogo bem disputado no meio, pois o sistema tático das equipes é parecido. O Tinga é como o Elias, eles cadenciam o setor, e os times se assemelham pelo esquema. Como todos ali se movimentam bastante, quem se destacar no meio ajuda a definir o vencedor da disputa", acredita Iarley.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.