Openspace
Openspace

No Brasil, Phelps exalta experiência nos Jogos do Rio: 'A Olimpíada mais bacana'

Nadador também falou sobre período difícil antes de disputar os jogos de 2016

Paulo Favero, Estadão Conteúdo

08 Novembro 2017 | 12h50

Pela sexta vez, Michael Phelps veio ao Brasil e participou de um evento super concorrido na HSM Expo 2017, que está sendo realizada em São Paulo (para se ter uma ideia, o passe de um dia, com direito a assistir a toda programação, custava entre R$ 3.746 e R$ 4.0o8). A estadia anterior havia sido nos Jogos do Rio, quando ele subiu ao pódio seis vezes e chegou a 28 medalhas olímpicas, sendo 23 de ouro. "Vocês estão vendo o verdadeiro Michael Phelps, era isso que queria mostrar. Foram os Jogos mais bacanas para mim", afirmou o nadador diante de 3 mil pessoas, lembrando que vinha de um período muito difícil após os Jogos de Londres.

+ Michael Phelps ajuda estrelas do esporte a vencer a depressão

+ Fera: Não deu! Michael Phelps perde 'corrida' de 100m contra tubarão branco

Ele participou da palestra "Sem limites, a incansável busca pela excelência", que contou ainda com a presença de seu técnico, Bob Bowman. Phelps mostrou descontração o tempo todo, exceto quando falou do período turbulento de sua carreira. Aí, ele ficou sério. "Depois de 2012, fiquei frustrado, me aposentei e não queria mais ser atleta. Disputei aquela Olimpíada por causa de patrocinadores e foi meio que fingir. Tive os resultados que mereci. Depois de um ano e meio, falei que iria voltar para concluir minha carreira do jeito que queria", contou.

Antes de decidir competir no Rio, Phelps passou por maus bocados. "Não queria mais viver, ficava no quarto de três a cinco dias sem querer ver o sol ou falar com alguém. Decidi mudar, fui buscar ajuda e durante esse processo consegui descobrir quem eu era e gostar de mim desse jeito. Abandonei alguns hábitos, foram 25 dias para me conhecer mais. Só tinha visto meu pai cinco vezes durante 20 anos, é difícil para um garoto, mas ele me ajudou nisso."

Phelps foi muito aplaudido pelo público em algumas oportunidades, mas não teve contato diretamente com os fãs. Reservado, ele evitou entrevistas  após o evento e não deu brecha para fotos de perto. Esteve sempre ao lado de seu técnico e muitos fãs trataram de fazer fotos de longe, usando o zoom dos celulares ou tirando foto do próprio telão. O nadador se sentiu à vontade para falar sobre todos os temas, mas principalmente do passado e de sua trajetória.

O fenômeno das piscinas explanou sobre sua trajetória desde garotinho, quando começou com 11 anos a nadar sob o comando de Bob Bowman. "Lembro que tivemos uma reunião com minha mãe, falando do potencial que eu tinha. Ele falava que em quatro anos iria disputar uma Olimpíada. Quando ele falou isso, acreditando em mim, parei com beisebol, lacrosse, futebol... Me concentrei na natação. Quatro anos depois, participei da primeira equipe olímpica depois disso e vi que ele tinha razão. Então, quis ganhar medalha de ouro, quebrar recordes, e o Bob foi quem me orientou e me guiou. O que poderíamos fazer juntos não tinha limite", comentou.

Para o técnico, desde cedo ele era um talento nato. "Eu me lembro como se fosse hoje: no primeiro treino, ele fez coisas que nenhum menino de 11 anos tinha feito antes. Me contive e falei apenas: 'Até amanhã'. Fui embora e pensei: 'Esse menino é tão bom que eu tenho de melhorar'. Ele era muito avançado e foi um processo contínuo de elevar o padrão", disse, lembrando que Phelps sempre foi muito competitivo.

O ex-atleta reconhece que detestava perder. "Eu era um garoto que estava sempre correndo em torno da piscina. Cresci lá, minha mãe nos colocou nos treinamentos e eu gastava energia e sempre mantinha o corpo em atividade", comentou Phelps, jurando que nunca se sentiu feliz ao ganhar uma medalha que não fosse a de ouro. "Quando era garoto, ficava louco e arrancava a touca e óculos quando perdia. Tomava advertência. Então me preparei para não ter provas assim."

Nos Jogos do Rio, ele lamentou não ter alguns companheiros com a mesma ambição que a sua. "Vi no nosso grupo, no Rio, atletas com talentos enormes, mas que não estão dispostos a suportar a dor para dar um salto final. Para mim, nadar com eles me frustra demais. Tem gente que não entendeu e não se esforçou o necessário para chegar naquele nível", explicou Phelps, que agora curte a vida de aposentado e não se preocupa mais com metas e objetivos na piscina.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.