No Canindé, equipe tem chance de levantar astral

Palmeiras encara o Bahia e tem oportunidade de se recuperar depois de quatro partidas sem vencer na competição

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2011 | 00h00

Sem vencer há quatro partidas, o Palmeiras tem a chance hoje de levantar o astral do grupo para a sequência que vem por aí. No papel, aliás, o desafio das 21 horas, no Canindé, é o mais fácil. Vencer o Bahia, então, é fundamental para não se distanciar dos líderes do Campeonato Brasileiro.

O Palmeiras não tem tido boas atuações em jogos decisivos e contra adversários iguais ou até mais fortes. E duas das equipes que estão à sua frente serão também os próximos adversários.

Após o Bahia, o time já começa a se preparar para o clássico de domingo contra o São Paulo, no Morumbi. E, na semana seguinte, vai até Presidente Prudente para o confronto contra o Corinthians, fechando o primeiro turno do Brasileiro.

Não bastasse os dois clássicos, o Palmeiras terá na próxima quinta-feira, antes do Corinthians, talvez o seu mais difícil desafio na temporada. Encara o Vasco pela Copa Sul-Americana, em casa, precisando ganhar por pelo menos três gols de diferença para avançar de fase - perdeu o jogo do ida, no Rio, por 2 a 0.

Luiz Felipe Scolari tem trabalhado o lado psicológico do grupo, mas admitiu após a derrota de domingo (1 a 0 para o Vasco, no Rio) que o ambiente não tem sido o mesmo desde que o Flamengo tentou contratar Kleber.

O atacante é uma dos que caíram de rendimento após aquele episódio, e já faz oito jogos que não anota um gol - a última vez foi em 19 de junho, contra o Avaí.

A pressão ainda não está forte, mas um resultado negativo hoje mudará o clima do time. "Sabemos da responsabilidade que temos, e o Bahia faz bons jogos fora de casa", alertou o zagueiro Henrique.

Se a equipe não anda bem das pernas, o jeito é apostar na força do estádio. O time ainda não perdeu jogando no Canindé em 2011 e espera manter o retrospecto: foram 8 vitórias e 1 empate.

Cuidado. O Palmeiras tem oito jogadores pendurados com dois cartões amarelos, e de todos eles apenas Maurício Ramos não foi relacionado para pegar o Bahia.

Felipão sabe que dificilmente terá time completo nos próximos clássicos: Cicinho, Thiago Heleno, Henrique, Gerley, João Vitor, Valdivia e Patrik completam a lista.

"Os cartões são sempre uma preocupação", disse Marcos Assunção, que retorna à equipe após cumprir suspensão contra o Vasco. "Temos de tomar cuidado porque só temos jogos importantes pela frente", pediu o volante palmeirense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.