Charles Dharapak/AP
Charles Dharapak/AP

No G-20, Lula e Obama travam disputa sobre Olimpíada de 2016

Presidente norte-americano diz ao brasileiro que trabalhará duro para derrotar Rio e levar Jogos para Chicago

Walter Brandimarte, Reuters

25 de setembro de 2009 | 22h02

Um duelo esportivo entre os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, esquentou nesta sexta-feira sobre qual dos dois países irá sediar a Olimpíada de 2016.

Veja também:

linkPrefeito de Chicago comemora sucesso

linkMaior metrópole quer levar Jogos à Ásia

linkTóquio encurta distâncias para organizar Jogos

linkTóquio cobra apoio do primeiro-ministro

linkObama pode ir à votação olímpica 

especialESPECIAL - Tudo sobre as cidades candidatas

especialRIO 2016 - Mais sobre a campanha pelos Jogos

Obama disse a Lula que trabalhará duro para derrotar o Rio de Janeiro e levar os Jogos para sua cidade, Chicago, especialmente após o governo brasileiro expressar sua preferência por caças franceses numa disputa que também conta com caças fabricados nos EUA. Madri, na Espanha, e Tóquio, no Japão, também estão na disputa para sediar os Jogos.

Os dois presidentes se reuniram em Pittsburgh para o encontro de cúpula do Grupo dos 20, composto por países ricos e em desenvolvimento, onde eles concordaram em uma série de questões econômicas. Mas Obama não pareceu muito contente com a preferência do governo brasileiro por caças Rafale, da francesa Dassault, numa disputa para a compra de 36 caças da qual a norte-americana Boeing também participa.

"Obama falou o seguinte: pelo fato de eu ter tido preferência pelos aviões franceses, que ele agora vai disputar para valer Chicago", disse Lula a jornalistas em Pittsburgh. "Eu falei: pode ser sua segunda derrota."

Obama disse então que sua mulher, Michelle, pode ser "bastante convincente" na campanha por Chicago.  Michelle Obama deve ir a Copenhague, na Dinamarca, para fazer campanha pela cidade norte-americana quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) escolherá, em 2 de outubro, a sede dos Jogos de 2016. O presidente norte-americano ainda não confirmou se comparecerá ou não.

Na quinta-feira, o porta-voz de Obama afirmou que o presidente pode ir "absolutamente", e uma autoridade da Casa Branca disse, sob condição de anonimato, que uma equipe já esteve na Dinamarca para preparar uma possível visita. Ele enfatizou, no entanto, que a viagem não faz parte da agenda de Obama no momento.

Lula, por outro lado, tem viagem marcada para a Dinamarca e está confiante. "Eu quero saber qual das cidades do mundo que estão disputando que pode oferecer uma hidromassagem a mar aberto como o Rio de Janeiro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.