No gol, um duelo de gigantes

Aranha, da Ponte Preta, e Marcos, do Palmeiras, são garantia de segurança para suas equipes na decisão

Daniel Akstein Batista e Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

27 de abril de 2008 | 00h00

Todo mundo já conhece quem é Marcos. Pentacampeão mundial com a seleção brasileira, dono de títulos como a Taça Libertadores, Copa do Brasil e o Campeonato Paulista. Goleiro de 34 anos, consagrado, reconhecido e que em 2008 voltou a jogar bem (e livre das lesões) e ajudou o Palmeiras a chegar à final do Estadual. Até algumas semanas atrás, poucos conheciam Aranha. E se não fossem suas milagrosas defesas, dificilmente a Ponte Preta passaria pelo Guaratinguetá nas semifinais. O goleiro de 27 anos é um dos principais atletas do time, mas está longe de ter a estrela e o reconhecimento do rival de hoje.Marcos comemora a nova fase como um garoto. Converse com ele alguns minutos e você vai perceber a vontade que tem de ganhar um título. Até parece que nunca venceu nada na carreira. "Para mim é uma alegria imensa poder disputar uma decisão", disse o atual camisa 12 ao Estado. "Após bastante tempo o Palmeiras montou um time que volta a empolgar seu torcedor."O goleiro esteve no elenco de 1996, ano em que o Palmeiras conquistou seu último Estadual. Aranha, ao contrário, está há seis anos no clube - e não tem nenhuma conquista de peso na sua carreira. "Acho que chegou a hora de sermos campeões", afirmou o goleiro em uma das poucas entrevistas concedidas antes da decisão. A maior conquista de Aranha neste Paulista foi ter cativado a torcida ponte-pretana. Depois de uma primeira fase sem sobressaltos, o goleiro simplesmente salvou a equipe nas semifinais contra o Guaratinguetá. "Estamos recuperando o orgulho de torcer pela Ponte Preta. E qual o segredo do bom momento? "Trabalho muito. Nunca baixei a cabeça."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.