Tiago Queiroz/ Estadão
Tiago Queiroz/ Estadão

No Havaí, coronavírus não impede surfista Tatiana Weston-Webb de treinar

Brasileira classificada para os Jogos Olímpicos vive em Kauai, local onde não há restrição nas praias

Andreza Galdeano, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2020 | 15h00

Em muitos lugares do mundo as praias estão fechadas por causa da pandemia de coronavírus e os surfistas não podem fazer o que tanto gostam. Mas Tatiana Weston-Webb, brasileira classificada para os Jogos Olímpicos na modalidade, vive em Kauai, uma das ilhas do Havaí, e tem conseguido treinar com sua prancha diariamente.

"Aqui no Havaí estamos liberados para surfar, então estamos treinando e curtindo. Quando não estou na praia eu realmente fico em casa, não vamos ao mercado todos os dias, e estou aproveitando muito para cuidar muito do meu jardim. Então se não for para surfar, fico em casa", diz a atleta, que estreia nesta segunda-feira (13) mais uma temporada de seu programa no canal OFF.

Apesar de seguir treinando, Tatiana também foi prejudicada pela pandemia. Por conta do isolamento, seus treinadores não podem viajar e a surfista segue sem acompanhamento. Ela conta que o ritmo de trabalho vai melhorar quando a quarentena passar e já pensa nos Jogos Olímpicos. "Estou feliz com o adiamento da Olimpíada porque com essa crise está muito difícil de treinar. Vamos ter um bom período para se adaptar, seguir treinando e acreditando nos bons resultados em Tóquio".

A Olimpíada será disputada entre os dias 23 de julho e 8 de agosto de 2021, no mesmo período que seria realizada neste ano (24 de julho a 9 de agosto). "Eu realmente estou me sentindo muito bem por causa do adiamento, é muito difícil treinar em casa, sendo que normalmente estaria viajando, competindo e treinando forte. Agora todo mundo está em quarentena em casa, então não dá para fazer esse tipo de treinamento. Acaba sendo um trabalho bem diferente", explica.

As gravações do programa "Tatiana Weston-Webb" foram feitas no Taiti antes da pandemia tomar proporções gigantescas, mas a surfista vive a expectativa de ajudar os fãs durante esse período de isolamento. "O meu objetivo sempre foi inspirar outras pessoas, não apenas ligadas ao surfe, mas no mundo inteiro. Quero que as pessoas sejam mais positivas e pretendo emitir boas energias para todos", afirma.

Sem dar spoilers, Tatiana diz que conseguiu "pegar grandes ondas" durante as novas gravações. "Valeu muito a pena e nos divertimos bastante", conta. O programa apresenta 13 episódios exibindo o dia-a-dia de treinos da atleta e viagens ao redor do mundo ao lado do noivo e também surfista Jessé Mendes.

O primeiro episódio resume a temporada de Tatiana e exibe a sua dedicação ao surfe. Ela também comenta sobre a conexão com o Brasil e a escolha de defender a bandeira verde-amarela. A surfista chegou a competir no Circuito Mundial representando o Havaí, mas optou por defender seu país de nascimento. 

A brasileira foi a primeira representante do País na modalidade a se garantir em Tóquio. Ela assegurou uma das vagas com a vitória nas oitavas de final da etapa de Peniche do Circuito Mundial de surfe, em setembro do ano passado. Do lado feminino também estará Silvana Lima.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.