No Mineirão, o principal jogo

Cruzeiro tenta manter chances diante do Grêmio

Elder Ogliari, PORTO ALEGRE, O Estadao de S.Paulo

29 de outubro de 2008 | 00h00

O técnico do Grêmio, Celso Roth, recorreu aos treinos secretos e decidiu esconder esquema e escalação do time até a hora de pisar no gramado do Mineirão para enfrentar o Cruzeiro, hoje, às 21h50. A justificativa para tanto mistério é o caráter decisivo do jogo. Se vencer, a equipe gaúcha afasta um concorrente direto na luta pelo título, livrando 7 pontos de vantagem sobre o time mineiro. Além disso, pode ficar em situação folgada se o São Paulo, o Flamengo e o Palmeiras tropeçarem nos jogos que têm na rodada. Se perder, o Grêmio manterá a liderança, mas, dependendo dos resultados, pode ficar em situação tão vulnerável que em apenas uma rodada, a próxima, corre o risco de cair para o quinto lugar. Como o time não vem jogando bem e só segue na liderança, com 59 pontos, graças a alguma gordura acumulada ainda do primeiro turno, Roth fará algumas modificações. É possível que o esquema seja alterado do 3-5-2 para o 3-6-1, com Reinaldo de atacante fixo, recebendo algum auxílio eventual do meia Douglas Costa. Na ala-direita o jovem Felipe Mattioni pode deixar seu lugar para o experiente Paulo Sérgio, enquanto o meia Souza tem chances de ser improvisado na ala-esquerda, posição em que Hélder e Anderson Pico, testados várias vezes, ainda não deram uma resposta satisfatória. O Cruzeiro considera sua cartada decisiva para continuar na luta pelo título. Em terceiro lugar, com 55 pontos, o time mineiro só admite a vitória contra o Grêmio. A equipe da Toca da Raposa vem de uma derrota para o Atlético-PR e, restando sete rodadas para o fim da competição, está a quatro pontos dos gaúchos. "Chegou uma hora crítica do campeonato em que vamos saber se continuamos lutando pelo título ou vamos apenas brigar pela Taça Libertadores", observou o atacante Thiago Ribeiro. "Temos de pôr raça, vontade, é disso que o torcedor gosta, não podemos nem pensar em empatar", acrescentou o volante Ramires. COLABOROU EDUARDO KATTAH

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.