Divulgação
Divulgação

No Mundial de Boxe, Brasil aposta em seus medalhistas

País tem oito atletas na competição, que acontece no Casaquistão

Amanda Romanelli, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - O Mundial de Boxe começará nesta segunda-feira em Almaty, capital do Casaquistão, e o Brasil aposta em seus dois medalhistas da última edição, o campeão Everton Lopes e o terceiro colocado Esquiva Falcão, ainda sob o impacto da profissionalização de Yamaguchi Falcão, irmão de Esquiva.

Yamaguchi conquistou a medalha de bronze na Olimpíada de Londres, no ano passado, mas abdicou dos campeonatos amadores para assinar um contrato de cinco anos com a Golden Boy Promotions, empresa de Oscar de la Hoya. Seu suplente direto na categoria até 81 kg, Michel Borges, também não poderá lutar o Mundial – ele pegou uma virose.

O País terá oito atletas em Almaty: Patrick Lourenço (até 49 kg), Julião Neto (52 kg), Robenílson de Jesus (56 kg), Robson Conceição (60 kg), Everton Lopes (64 kg), Roberto Queiroz (69 kg), Esquiva Falcão (75 kg) e Juan Nogueira (91 kg).

Na busca pelo bicampeonato, Everton terá o caminho facilitado, já que seu principal rival, o cubano Roniel Iglesias, campeão olímpico em Londres, subiu de categoria e está suspenso pela federação de seu país.

MUDANÇAS

No torneio casaque, os boxeadores deixarão de utilizar o capacete protetor, em uma tentativa da Associação Internacional de Boxe Amador (Aiba) de aproximar a modalidade olímpica da profissional. A medida ainda está sob observação do Comitê Olímpico Internacional (COI) para ser adotada na Olimpíada do Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
BoxeMundial de Boxe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.