No Nordeste, a corrida pela elite

Começa hoje, em Fernando de Noronha, competição que dá ao campeão 2.500 pontos na corrida por vaga no WCT

Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

12 de fevereiro de 2008 | 00h00

Na praia da Cacimba do Padre, em Fernando de Noronha, as remadas dos cerca de 150 surfistas que disputam, a partir de hoje, o Hang Loose Pro Contest, valem bem mais do que o prazer de surfar em um dos lugares mais bonitos do Brasil. Valem também a chance de começar a temporada da divisão de acesso do surfe mundial, o World Qualifying Series (WQS), com 2.500 pontos no ranking e pular na frente na briga por uma vaga no World Championship Tour (WCT) - o grupo com os 45 melhores surfistas do mundo. Na história do campeonato mais tradicional da América Latina, brasileiros e estrangeiros estão empatados com 12 títulos cada. O Hang Loose Pro está isolado no calendário do circuito mundial: é a única etapa realizada na América do Sul neste início de temporada. Com isso, muitos dos grandes nomes internacionais não vieram tentar o título nas ondas tubulares de Fernando de Noronha - que garante prêmio de US$ 12 mil (R$ 21, 5 mil). Chance para os surfistas do Brasil voltarem a vencer.A disputa ganha um tempero especial com surfistas da nova geração. O brasileiro Pablo Paulino, que conquistou o bicampeonato mundial júnior no início do ano, na Austrália, é a principal esperança de títulos entre os novatos. Na competição júnior, ele igualou o recorde de duas vitórias do australiano Joel Parkinson. Em Fernando de Noronha tem a primeira chance no ano para mostrar seu valor também no circuito profissional. "Para mim, é um dos eventos mais importantes da temporada", afirma o surfista de 20 anos. "Eu estou muito confiante, bem preparado para tentar um bom resultado aqui e começar com o pé direito a caminhada rumo ao WCT." Paulino se espelha no brasileiro Adriano de Souza, campeão mundial júnior em 2004 e campeão do WQS em 2005. "Este título certamente vai motivar toda a nova geração que está vindo forte por aí." Há ainda outra motivação pelo título em Fernando de Noronha: igualar-se a nomes que hoje arrasam na Primeira Divisão. "Alguns surfistas que venceram aqui acabaram entrando no WCT, como o Bobby Martinez (EUA) - campeão em 2005 - e o Aritz Aranburu (ESP), que ganhou o campeonato em 2007. Esse é o sonho de qualquer surfista brasileiro."Porém, o caminho dos novatos não será fácil. Surfistas que já disputaram o WCT e hoje estão longe da elite querem recuperar suas posições de destaque. E contam com uma boa campanha em Fernando de Noronha para dar o primeiro passo. É o caso de campeões do Hang Loose Pro em anos passados, como os brasileiros Jean da Silva (2006),Victor Ribas (2002) e Guilherme Herdy (2000), além do sul-africano Warwick Wright (2004). Os ex-integrantes do WCT em 2007 Bernardo Miranda, Raoni Monteiro e o sul-africano Greg Emslie também estão na briga. RIVALIDADE12 títulos conquistados por surfistas do Brasil12 títulos obtidos por surfistas de outros países16 países estão representados nas ondas de Fernando de Noronha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.