No Palmeiras, a estrela está no banco

Felipão inicia hoje, contra o Avaí, em Florianópolis, a nova versão da 'Família Scolari', em busca de melhores dias para um clube que anda adormecido

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2010 | 00h00

Felipão. Primeiro treino em sua nova temporada pelo Palmeiras aconteceu na sexta

 

 

 

Luiz Felipe Scolari inicia hoje sua segunda passagem pelo Palmeiras em clima de otimismo, mas com elenco desacreditado. Contra o Avaí, às 16 horas, em Florianópolis, Scolari comanda uma equipe em formação, que tenta deixar para trás os dias turbulentos vividos pelo clube no primeiro semestre.

Na Ressacada, Felipão dá o primeiro passo para uma caminhada que tem um objetivo claro: uma vaga na Libertadores de 2011. Em sua chegada ao Palmeiras, pediu paciência à torcida, que tenta segurar a euforia. A vitória sobre o Santos, no clássico de quinta-feira (2 a 1), no reinício do Brasileiro, só aumentou a confiança em dias melhores.

A chegada de Felipão parece ter diminuído a pressão sobre o elenco. "O Felipão é treinador que cobra muito, mas também incentiva. Isso contagia o ambiente e deixa um clima mais agradável. E, no pouco tempo de contato com ele e o Murtosa, já pudemos notar isso", diz o goleiro Deola, que mais uma vez será o titular - Marcos ainda se recupera da artroscopia no joelho esquerdo e só volta na quinta-feira, contra o Botafogo.

A perspectiva de uma nova versão da "Família Scolari" promete intensificar a briga por posições. Hoje, Felipão tem a opção de escalar o volante Pierre, que ficou fora das últimas partidas por causa de uma lesão no pé. O técnico ainda mostrou inclinação em testar o jovem Tinga, de 19 anos, que chegou há pouco da Ponte Preta e fez um gol logo na estreia (o segundo na vitória sobre o Santos por 2 a 1). Na lateral-esquerda, Gabriel Silva, das categorias de base, tem jogado no lugar de Armero, que teve seu contrato renovado e volta a brigar pela titularidade.

A empolgação pelo retorno do treinador, por outro lado, acalmou a expectativa em torno de Kléber, que chegou ao clube na intertemporada para retomar o status de ídolo alviverde. Em três jogos (além do clássico, jogou dois amistosos), ainda não marcou gol.

Lugar de sorte. Scolari reestreia pelo Palmeiras em Santa Catarina, Estado em que também fez história. Treinando o Criciúma, foi campeão da Copa do Brasil em 1991 e despontou pela primeira vez no cenário nacional. Até hoje, esse é o maior feito do futebol catarinense em torneios do País. Além disso, foi no Sul que o gaúcho de 62 anos cimentou seu prestígio como técnico, após a passagem vitoriosa pelo Grêmio, de 1993 a 1996.

Rival embalado. O Avaí já mostrou que não se intimida diante de rivais de tradição. Vem de boa vitória sobre o São Paulo por 2 a 1 em pleno Morumbi, que marcou o primeiro jogo de Antônio Lopes no comando da equipe catarinense. Em casa, porém, tem sido irregular. Na estreia, aplicou 6 a 1 sobre o Grêmio Prudente, mas levou 3 a 0 do Fluminense antes da pausa para a Copa.

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Avaí: Renan, Patric, Gabriel, Emerson Nunes, Eltinho, Marcinho Guerreiro, Rudnei, Rivaldo, Caio, Robinho, Roberto. Técnico: Antonio Lopes

 

Palmeiras: Deola, Vítor, Léo, Maurício Ramos, Gabriel Silva, Marcos Assunção, Pierre (Edinho), Márcio Araújo, Lincoln, Ewerthon, Kléber. Técnico Luiz Felipe Scolari

 

Horário: 16h

 

Local: Ressacada

 

LUIZ FELIPE SCOLARI: Técnico do Palmeiras

"Espero por reforços de peso. Como não temos no momento, tenho de valorizar a categoria de base"

"Sabemos que não será fácil, temos de ter paciência. Os fruto virão ao longo do trabalho"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.