No Rio de Janeiro, Anderson Silva trata revanche com respeito ao adversário

Dana White afirma que Brasil pode sediar 13 edições do UFC no próximo ano

O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2013 | 20h12

SÃO PAULO - Em turnê oficial do Ultimate Fighting Championship (UFC), para promover a disputa de cinturão de pesos médios, os lutadores Anderson Silva e Chris Weidman participaram de um encontro, neste domingo no hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. O confronto, marcado para o dia 28 de dezembro, em Las Vegas, será o segundo combate entre os lutadores, sendo que na primeira luta, o americano tirou o cinturão de Anderson, após sete anos de invencibilidade. A revanche, que vai acontecer pela 168ª edição do evento, será realizada MGM Grand Garden Arena.

Além dos competidores, quem também esteve presente no hotel foi o presidente do UFC, Dana White, que possui grandes expectativas para o confronto. “Essa é a luta mais excitante que já existiu, todo mundo quer assistir. Quando o MGM (Grand Garden Arena) estiver lotado, a energia estará espalhada pelo mundo inteiro, todos vibrarão com esse confronto, seja no ginásio, em suas casas ou bares. Mal posso esperar por essa luta. Veremos o que vai acontecer”, comentou Dana.

No evento, que foi aberto a perguntas dos fãs, o brasileiro de 38 anos, demonstrou confiança e humildade no seu discurso. “A derrota foi tão importante quanto todas as vitórias que eu tive. Hoje me sinto um atleta mais completo. O título não é meu, nunca foi meu. É um patrimônio brasileiro e a minha motivação agora é recuperá-lo para o Brasil”, disse Anderson Silva.

Com 10 vitórias e nenhuma derrota em seu cartel, o atual campeão dos médios disse aos jornalistas que além de fãs nos Estados Unidos, ele também conquistou a simpatia de muitos brasileiros. “Estive no Brasil no ano passado e podia atravessar a rua tranquilamente. Hoje, não consigo mais. É uma mudança que senti após a vitória. Mas a principal foi que consegui comprar uma casa para a minha família”, explicou Weidman, fazendo referência ao furacão Sandy, que em outubro de 2012 derrubou a moradia de seus parentes.

A turnê agora sai do Rio de Janeiro e nesta segunda-feira, vai desembarcar em São Paulo. Os lutadores e o mandatário do UFC estarão Hotel Hilton, no bairro do Morumbi, para falar sobre o evento. Os ingressos para o UFC 168 custam entre US$ 100 e US$ 1000 e podem ser comprados pelos brasileiros, através da internet.

'13 EDIÇÕES NO BRASIL'

Além de comentar a luta entre Anderson Silva contra Chris Weidman, Dana White também fez questão de elogiar o emergente mercado brasileiro no MMA. O presidente do UFC ainda disse que o país poderá abrigar um maior número de edições do torneio. "Estamos planejando 13 eventos no Brasil para o ano que vem. Este talvez seja o mercado mais importante do mundo. O melhor talento do planeta está vindo daqui. Com mais lutas no Brasil, os atletas terão mais oportunidades de entrar no mercado global, não só no brasileiro", explicou o mandatário.

White também afirmou que a terceira edição do The Ultimate Fighter (TUF) já tem os seus treinadores escolhidos. Apesar disso, ele resolveu fazer mistério sobre os nomes. "Os técnicos vão chocar vocês, mas não posso contar ainda, porque ainda não estamos anunciando", finalizou, mesmo com a insistência dos repórteres que compareceram ao local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.