No Rio de Janeiro, Bolt aposta no sucesso da Olimpíada de 2016

Atleta jamaicano está na cidade para disputar Desafio Mano a Mano, prova de 100 metros, no próximo domingo, na praia do Leme

RONALD LINCOLN JR., O Estado de S. Paulo

15 de agosto de 2014 | 14h33

Cerca de dois anos antes do Jogos Olímpicos, o homem mais rápido do mundo, Usain Bolt considerou que o Brasil realizou uma grande Copa do Mundo e por isso vai produzir uma Olimpíada "fantástica". Bolt está no Rio para disputar o Desafio Mano a Mano, uma prova de 100 metros com grandes velocistas mundiais, que vai ocorrer domingo, na praia do Leme.

"Soube que a Copa do Mundo foi um sucesso. Acompanhei pela TV e não vi problemas. Se puderam fazer bem a Copa acho que será ainda mais fácil com a Olimpíada, que também é um grande evento", disse o velocista jamaicano, durante a apresentação do Desafio Mano a Mano, realizada no início a tarde desta sexta-feira.

A Olimpíada do Rio deve ser a última de Bolt, mas ele espera alcançar o auge de sua carreira no Brasil. "Aqui poderei levar minha performance a um nível mais alto", destacou. O atleta, de 27 anos de idade, também revelou que por pedido de seus patrocinadores pode estender a carreira até 2017.

Amante de futebol, Bolt quer se dedicar ao esporte quando se aposentar do atletismo. Aproveitando o ensejo, ele revelou que não vê a hora de conhecer o principal nome do futebol brasileiro na atualidade. "Sou fã do Neymar e não vejo a hora de poder conhecê-lo", afirmou.

O Mano a Mano é um evento promocional, organizado por alguns dos patrocinadores do atleta. No entanto, Bolt garantiu que a prova será importante para sua preparação visando os Jogos de 2016. "Vou correr o máximo que puder. Sempre tento dar melhor de mim para ver o quão rápido posso chegar", explicou.

É a segunda vez que o Mano a Mano é realizado no Rio. Além da atração principal, o evento também terá competições nas modalidade feminina e paralímpica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.