Ricardo Duarte/Divulgação
Ricardo Duarte/Divulgação

No Rio, Inter escreve o mais dramático capítulo da história

Contra o Fluminense, Colorado precisa vencer e ainda torcer por outros resultados para não ser rebaixado à Série B

Marcio Dolzan, Rio de Janeiro, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2016 | 07h00

Fluminense e Internacional fazem neste domingo um jogo que, se não chama a atenção do torcedor pela qualidade técnica, será um dos mais importantes da última rodada – e dos 107 anos de vida do clube gaúcho. No estádio Giulite Coutinho, o Inter tentará evitar o primeiro rebaixamento de sua história. Para isso, precisará vencer o jogo e torcer por tropeço de Sport ou Vitória.

A situação do Inter é dramática. Dos três times que lutam contra a última vaga na Série B do próximo ano, só os gaúchos não dependem apenas de suas próprias forças. A equipe do técnico Lisca – que fará seu terceiro e, provavelmente, último jogo como treinador do time – dependerá ainda de um empate do Sport com o rebaixado Figueirense na Ilha do Retiro, ou de derrota do Vitória para o campeão Palmeiras no Barradão. Nesse caso, ainda precisaria tirar seis gols de saldo.

Ao longo da semana, o clima entre jogadores e comissão técnica variava entre a cautela e a tensão. Se até poucas rodadas atrás o discurso era o de evitar a queda a todo custo, agora as entrevistas iam no sentido de ajudar o clube a voltar ao seu lugar de origem. A palavra “rebaixamento”, porém, foi evitada. 

“Como colorado, se a situação for adversa, sofrerei muito, como já tenho sofrido”, disse o lateral-esquerdo Ceará. Campeão mundial pelo clube em 2006, ele retornou ao time no segundo semestre. “Independente do momento, o Inter é grande e voltará a conquistar títulos internacionais e nacionais.”

William, companheiro de Ceará da ala direita, falou em “guerra” diante do Fluminense. Cria da base colorada, ele pediu concentração no jogo. O lateral não quer saber o que estará acontecendo nas outras duas partidas que interessam ao time.

A última atividade no Beira-Rio, na sexta-feira, ocorreu com portões fechados. Mas o motivo foi diferente do habitual nessas situações; em vez de ensaiar jogadas ou esconder o time titular, o técnico Lisca quis deixar os jogadores à vontade pela última vez. Depois, falou em tom de despedida.

“Não dei treinamento. Queria mais privacidade. Congracei com jogadores e funcionários”, contou Lisca. “Foi mais para passar a alegria que tive, o prazer mesmo neste momento difícil. Foi mais uma despedida, mas com alegria e afeto. Até para abraçar os jogadores.”

O torcedor promete estar presente e lotar seu espaço no Giulite Coutinho – são 1,2 mil lugares reservados para a torcida visitante. O clube lançou um pacote de viagens barato para quem quisesse sair de Porto Alegre de ônibus – R$ 120 ida e volta. Torcedores no Rio também se mobilizam. Todos querem ver mais um capítulo – talvez o mais dramático – da centenária história colorada ser contada.

FICHA TÉCNICA:

FLUMINENSE:  Júlio César; Wellington Silva, Nogueira, Henrique e Willian Matheus; Edson, Douglas e Gustavo Scarpa; Wellington, Richarlison e Henrique Dourado. Técnico: Marcão.

INTERNACIONAL: Danilo Fernandes; William, Paulão, Ernando e Alex; Anselmo, Rodrigo Dourado, Anderson e Valdívia; Vitinho (Gustavo Ferrareis) e Nico López. Técnico: Lisca.

Juiz: Héber Roberto Lopes (SC).

Local: Giulite Coutinho, em Mesquita.

Horário: 17h.

Na TV: SporTV.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.