Nos clássicos com Argentina, chance para se firmar no grupo

Atletas que não estiveram nas últimas convocações têm oportunidade de conquistar a confiança de Mano em dois jogos

ALMIR LEITE , PAULO GALDIERI , ENVIADOS ESPECIAIS / RECIFE, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2012 | 03h05

Mano Menezes costuma dizer que jamais fecha a porta da seleção brasileira para um jogador e quem fizer por merecer sempre pode ter uma oportunidade. Nos últimos dias, porém, revelou que considera a equipe 70% pronta para a Copa das Confederações, em junho do próximo ano, e a partir de agora vai procurar reduzir ao máximo as experiências com novos jogadores. Por causa disso, os convocados para o jogo da quarta-feira contra a Argentina sabem que precisam fazer de tudo para aproveitar a chance. Até porque pode ser a última.

A possibilidade de conquistar a confiança de Mano surgiu para o atacante Luis Fabiano, os laterais Fabio Santos e Carlinhos (esquerdos), Marcos Rocha e Lucas Marques (direitos), e o meia Thiago Neves, entre outros, porque nos confrontos com a Argentina só podem ser convocados atletas que jogam no País. Além do jogo em Goiânia, haverá o de volta, dia 3, em Resistência, e a intenção do treinador é manter o grupo para esta partida.

A ansiedade é maior entre aqueles que não vinham sendo convocados ou foram chamado pela primeira vez. Mas quem fez parte da lista dos amistosos contra África do Sul, no Morumbi, e China, no Arruda - vitórias por 1 a 0 e 8 a 0, respectivamente - também sabe que é preciso continuar "mostrando serviço".

Esse o caso do zagueiro Réver, do Atlético-MG, que nos dois últimos jogos da seleção passou a maior parte do tempo no banco - jogou alguns minutos contra os chineses. "Estou feliz com mais essa convocação. É uma demonstração de confiança do treinador", disse Réver. Dedé, titular contra sul-africanos e chineses, com atuações claudicantes, também vê oportunidade de afirmação. "Estou indo para mais uma convocação, feliz porque estou mostrando meu trabalho", falou.

O meia Lucas, do São Paulo, será titular nas duas partidas contra os argentinos. E se diz com fome de bola. "Quero jogar sempre, tanto pelo São Paulo como pela seleção."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.