Nova batalha entre 'selecionáveis'

Cotados para substituir Mano Menezes, Tite e Muricy Ramalho medem forças hoje à noite no Pacaembu

SANCHES FILHO , VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2012 | 02h07

Tite tem um sonho: dirigir a seleção brasileira. "Mas só depois da Copa de 2014", era o que ele dizia. Isso, claro, antes de demissão de Mano Menezes.

Muricy Ramalho viveu um caso raro. À época no Fluminense, recusou convite da CBF em 2010 - se houve a "era Mano", muito se deveu a ele.

Os dois treinadores "selecionáveis" se enfrentam hoje, no Pacaembu, no clássico entre Corinthians e Santos, às 19h30, pelo Campeonato Brasileiro.

Tite e Muricy estão no hall dos principais treinadores do futebol brasileiro. Ganharam quase tudo que disputaram nos últimos anos, incluindo aí a cobiçada Libertadores, e acirraram ainda mais a rivalidade entre Corinthians e Santos.

O título da Libertadores mudou muito o rumo das duas equipes. O Santos venceu em 2011, a primeira vez depois da era Pelé e a primeira de Neymar, e antes mesmo de levantar a taça já vislumbrou um confronto com Barcelona. Fez disso sua obsessão.

Muricy adotou a seguinte estratégia após ser campeão continental. Deixou os titulares em campo somente até evitar que o time fosse rebaixado e depois escalou só reservas - foi praticamente um mês em que os titulares ficaram apenas treinando. Para muitos, essa falta de ritmo foi uma das causas da goleada sofrida para o Barcelona por 4 a 0.

Tite, que para vencer a Libertadores derrotou o Santos de Muricy na semifinal, tomou uma postura diferente. Após a conquista inédita, ele também exigiu que o time somasse os pontos necessários para evitar uma queda. Meta alcançada, deu alguns dias de folga para alguns titulares. Foi só. Jamais colocou em campo uma equipe completamente reserva sob o argumento de evitar lesões.

O motivo: Tite acredita que não há solução melhor para disputar o Mundial do que chegar no Japão embalado. Seria uma maneira de encarar de igual para igual um time como Chelsea.

Tite venceu seus últimos quatro jogos no Brasileiro, aprimorou sua defesa e hoje dará um descanso para os atletas que estavam com a seleção brasileira. Por outro lado, vai com força total no ataque escalando Emerson Sheik e Guerrero. Suspenso, Douglas dá lugar a Romarinho, que costuma se dar bem em clássicos. Danilo será o armador, e Edenílson substitui Paulinho. O técnico ainda fará um teste: Anderson Polga atuará de primeiro volante no lugar de Ralf.

Muricy revive hoje um problema que lhe tirou o sonho durante toda a temporada: Neymar, suspenso, não joga. A tendência é que ele escale Victor Andrade. O técnico também disse que o volante Adriano, com dores na coxa, é dúvida.

O Corinthians vai buscar a vitória a todo custo para encerrar a temporada como mandante de bem com a torcida. E Tite poderá comprovar que seu momento é melhor do que o de Muricy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.