"Nova" CBJ anima judocas para Mundial

O Mundial da Alemanha, de 26 a 29 de julho, será a competição internacional mais importante do ano para os judocas do Brasil, com a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) sob nova direção - depois de 20 anos no poder, a família Mamede afastou-se em março. O novo presidente, Paulo Vanderley, ainda não conseguiu acertar as pendências que impedem a entidade de receber verbas públicas e o judô precisou da ajuda da Secretaria Nacional de Esportes, por meio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), para ter os R$ 125 mil necessários para as passagens e hotel na Alemanha."O que mudou foi o clima na seleção. Os judocas estão otimistas e voltou a existir a relação de confiança entre atletas, comissão técnica e dirigentes", disse o coordenador-técnico Ney Wilson. "Estou mais tranqüila tendo à beira do tatame um técnico que conhece as atletas", afirmou a judoca Fabiane Hukuda, referindo-se a Floriano de Almeida.Ney Wilson acha que o Brasil "tem boas chances de medalha em várias categorias", com João Derli e Fabiane, por exemplo, campeões mundiais juvenis. Mas frisa que não se deve esquecer o quanto a temporada foi atrapalhada pelas eleições da CBJ. "Até março, o judô não teve competições, a temporada começou tarde."

Agencia Estado,

27 de junho de 2001 | 22h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.