Nova geração do vôlei luta por espaço

Para a seleção masculina adulta, campeã olímpica nos Jogos de Atenas, este será um ano de mudanças - saem Maurício, Giovane, Nalbert...- e de início do ciclo olímpico até Pequim, em 2008. O primeiro grupo de convocados, com Ricardinho e Giba, se apresenta na segunda-feira ao técnico Bernardo Rezende, no Centro de Desenvolvimento de Vôlei, em Saquarema. A seleção feminina, de José Roberto Guimarães, também começa a trabalhar na segunda. Para as seleções de base do vôlei brasileiro, porém, 2005 será o ano dos Mundiais, de tentar conquistar espaço entre os destaques da nova geração. Quatro seleções de base - infanto-juvenil e juvenil, feminina e masculina - treinam em Saquarema para os Mundiais de suas categorias. "O objetivo das equipes de base é formar atletas que possam chegar à seleção adulta e manter o status de um País que é campeão olímpico e mundial", diz o técnico Marcos Lerbach, da seleção juvenil masculina, que treina em Saquarema para o Mundial da Índia, de 6 a 14 de agosto. A seleção infanto-juvenil masculina jogará o Mundial da Argélia, de 24 de agosto a 1.º de setembro. No feminino, o infanto-juvenil participará do Mundial de Macau e o juvenil do Mundial da Turquia, ambos de 23 a 31 de julho. Lerbach ainda aguarda os atletas que chegaram à final da Superliga, como o levantador Coelho e o meio e oposto Danilo, do Minas Tênis Clube, e o ponta Silmar, do Banespa. Convocou 21 atletas, mas deverá ficar com 15 até a viagem para a Europa, em junho - a equipe disputará 17 jogos, entre amistosos e torneios, contra Holanda, Rússia, Alemanha e Sérvia e Montenegro. "O grupo é muito bom, com campeões infanto-juvenis, levantadores altos (entre 1,90 m e 1,98 m), de biótipo bom para o esporte. Acho que a médio prazo, entre dois e três anos, alguns já poderão estar na seleção principal", diz Lerbach, de 47 anos, que trabalha com equipes de base há 20. Cita como destaque os levantadores, Bruno Mossa Rezende (1,90 m), Luiz Araújo Zech Coelho (1,98 m), o Luizinho, ambos filhos de ex-jogadores, e Everaldo Lucena da Silva (1,97 m). Destaca ainda o meio e oposto Danilo (2,03 m), o ponta Silmar (2,02 m) e três Thiagos, todos ponteiros, a quem chama pelo sobrenome: Sens (1,96 m), Machado (1,94 m) e Soares (1,94 m). "Esses meninos já são destaque, mas o grupo é bem homogêneo", acentua Lerbach, dizendo que a seleção brasileira tem tudo para conquistar o título juvenil. "Eles estão cumprindo etapas até chegarem ao adulto." O técnico explica que a convocação de um grande número de atletas visa a formar uma geração inteira e não apenas seleções para Mundiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.