Nova lesão pode acabar com o ano de Valdivia

Médico do Palmeiras afirma que tempo de recuperação do meia pode demorar - ele só voltaria a atuar em 2011

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2010 | 00h00

Contratação mais badalada da temporada pelo Palmeiras, Valdivia pode não mais atuar em 2010. Os exames médicos apontaram uma nova lesão na coxa esquerda, que vai tirá-lo, pelo menos, das duas partidas da semifinal da Copa Sul-Americana, contra o Goiás - o jogo de ida será quarta-feira, em Goiânia. Caso o time avance na competição, o meia pode assistir à decisão apenas pela tevê.

"Não há como estabelecer um prazo para o seu retorno. Temos de ter calma e esperar", disse o médico Rubens Sampaio. "Em circunstâncias normais, ele deveria voltar em três ou quatro semanas, mas eventualmente pode ser que só volte a jogar no ano que vem."

Ao deixar o campo contra o Atlético-MG com apenas 15 minutos de jogo, quarta-feira, no Pacaembu, Valdivia já imaginou que poderia ter uma nova lesão. Ele se recuperava de uma fibrose que o deixou parado por duas semanas, apenas em tratamento. Nos últimos dois dias, teve de passar por uma bateria de exames, para chegar ao diferente diagnóstico de anteriormente.

"Apareceu uma lesão pequena, com menos de meio centímetro. Há um edema com um pouco de sangramento no músculo. Vamos ter de esperar para ver como ele reage", falou o médico do clube.

Reservas. O jogo de amanhã em Goiânia pode não significar muito para o Palmeiras no Brasileiro, mas nem por isso os jogadores entrarão em campo contra o Atlético-GO sem motivação. Como Felipão já avisou que vai dar descanso aos titulares, os chamados reservas querem provar ao chefe que têm condições de permanecer no grupo em 2011.

O treinador já havia deixado os principais atletas de fora da partida do último domingo e quem entrou não decepcionou: vitória por 1 a 0 sobre o Guarani. O goleiro Bruno, que será titular amanhã, deve ser emprestado no próximo Estadual. "Não posso descartar (uma saída em 2011)."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.