Jesse D. Garrabrant/Divulgação
Jesse D. Garrabrant/Divulgação

Nova York permitirá público limitado em estádios e arenas esportivas

O governador Andrew M. Cuomo disse na quarta-feira que times como Knicks e Rangers podem receber fãs já em 23 de fevereiro, com a aprovação do Departamento de Saúde

Sopan Deb, Daniel E. Slotnik e Ben Sisario, The New York Times

12 de fevereiro de 2021 | 08h00

Um número limitado de fãs terá permissão para participar de eventos esportivos e de entretenimento em locais com 10 mil ou mais lugares em Nova York, disse o governador Andrew M. Cuomo na quarta-feira. Isso significa que franquias esportivas como Nets, Knicks, Rangers, Sabres e Islanders podem ter público nas arquibancadas a partir de 23 de fevereiro, desde que a ocupação seja limitada a 10% da capacidade do local.

Cuomo acrescentou que o Barclays Center já tinha conseguido aprovação para receber fãs em 23 de fevereiro para o jogo do Brooklyn Nets contra o Sacramento Kings. Todos que comparecerem terão de entregar resultados negativos de testes PCR, realizados até 72 horas antes do evento, e o Departamento de Saúde do estado terá que aprovar cada local. Os fãs também deverão permanecer socialmente distantes e usar coberturas faciais nos jogos.

Cuomo disse em uma coletiva de imprensa na quarta-feira que seu objetivo era “fazer com que essa economia se abrisse de maneira inteligente e equilibrada”, ao mesmo tempo que tentava mitigar a disseminação do novo coronavírus. A venda de ingressos é outra fonte de receita para franquias esportivas, muitas das quais sofreram golpes financeiros pela pandemia, assim como outras indústrias. No entanto, permitir que os fãs assistam aos jogos presencialmente também aumenta o risco de transmissão do novo coronavírus, já que grande parte do país ainda está registrando um grande número de casos.

Cuomo citou um recente jogo de playoff do Buffalo Bills, que teve um público de cerca de 6.700 pessoas no Bills Stadium ao ar livre, como um modelo para outros locais.

“O teste é fundamental”, disse Cuomo. O teste é útil, mas não é infalível, disse Saskia Popescu, pesquisadora de saúde pública da Universidade George Mason. “Um teste feito até 72 horas antes do jogo ajudará a identificar alguns casos, mas também são três dias em que um indivíduo pode se infectar”, escreveu Saskia por e-mail.

Cuomo disse que a nova iniciativa se estenderá pelos esportes e incluirá shows. “Este é um momento difícil em muitos e muitos níveis”, disse Cuomo. “Pessoalmente é muito difícil. Emocionalmente é difícil. Economicamente é difícil. Mas estamos encontrando o equilíbrio e seremos os melhores com isso”.

Os Nets disseram que as pessoas que comprassem os ingressos receberiam testes PCR pelo correio, que poderiam ser enviados para terem seus resultados no dia seguinte, enquanto os funcionários do Barclays Center já são testados no local.

“Estamos muito confiantes em nossa capacidade de fazer isso com segurança. Isso sempre esteve à frente de nossas preocupações”, disse John Abbamondi, CEO da BSE Global, a empresa-mãe dos Nets e do Barclays Center, em uma entrevista. “Temos uma instalação muito grande aqui e vamos trazer uma porcentagem muito pequena de nossa capacidade. Vamos testar não apenas todos os patrocinadores, mas aqui nos Nets, vamos testar todos os funcionários antes de cada evento. ”

Ele acrescentou: "Não há nada na vida sem riscos, mas quando você olha para o nosso prédio com 10% da capacidade, com todos tendo sido testados, em comparação com ir a um restaurante ou algo assim, acho que é pelo menos tão seguro, se não for mais seguro, do que isso. ”

O New York Knicks e o New York Rangers, ambos de propriedade de James L. Dolan, disseram que pretendem receber cerca de 2 mil fãs em todos os jogos no Madison Square Garden a partir do jogo do Knicks em 23 de fevereiro contra o Golden State Warriors e da partida dos Rangers contra o Boston Bruins três dias depois. Não ficou imediatamente claro se a arena recebeu aprovação do estado para isso.

“Sabemos que nossos fãs estão ansiosos para voltar e mal podemos esperar para vê-los no The Garden mais uma vez”, disseram os times em um comunicado.

Outras equipes de Nova York também foram rápidas em responder positivamente ao anúncio de Cuomo. “É um primeiro passo encorajador para que possamos dar as boas-vindas aos fãs de volta ao Citi Field”, disse o New York Mets em um comunicado. “Estamos ansiosos para trabalhar com autoridades do governo para garantir que o retorno ao estádio seja seguro e proveitoso para nossos fãs.” O New York Yankees disse que iria “trabalhar diligentemente e em sincronia com o governador” à medida que a temporada de beisebol se aproximava.

A notícia também foi bem recebida pelo comissário da Major League Soccer (MLS), Don Garber, cuja liga foi prejudicada financeiramente pela ausência de torcedores em muitas de suas cidades durante a curta temporada pandêmica de 2020. A MLS iniciará sua nova campanha em 17 de abril.

“Estou animado com o anúncio do governador Cuomo e seu otimismo”, disse Garber, acrescentando que estava esperançoso de que outros estados, incluindo Nova Jersey, continuariam a reduzir as restrições a grandes aglomerações, como eventos esportivos. Embora a nova regra possa permitir a realização de eventos esportivos, não se espera que ela traga apresentações de música ao vivo tão cedo.

O limite de capacidade estipulado pelo governador é muito baixo para que um grande show gere dinheiro, disseram os organizadores. “Com 10%, todos (artistas, organizadores) perderão dinheiro”, escreveu John Scher, um promoter da área de Nova York, por e-mail.

A indústria de shows, que conta com turnês nacionais marcadas com meses de antecedência, não está pronta para um retorno rápido. Mesmo os planos de turnê mais otimistas estão de olho no verão ou no outono para os primeiros shows em grande escala, e a maioria dos grandes festivais de primavera - como o Coachella no sul da Califórnia e o New Orleans Jazz & Heritage Festival - já foram adiados.

Especialistas em saúde pública dizem que a qualidade da ventilação é crucial quando se considera as aglomerações em ambientes fechados, porque o vírus é conhecido por se espalhar mais facilmente em lugares assim. Cuomo não ofereceu detalhes sobre os requisitos de ventilação, mas um comunicado à imprensa de seu escritório disse posteriormente que os locais tinham que “atender aos padrões aprimorados de filtragem de ar, ventilação e purificação” para serem reabertos.

Os fãs de esportes também não devem deixar suas máscaras escorregarem. Usar máscaras bem ajustadas e colocar uma máscara de tecido em cima de uma máscara cirúrgica pode reduzir o risco de transmissão em até 96,5%, segundo reportado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças na quarta-feira. /TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.